NEUROEDUC e NuDCEN encerram atividades do ano de 2013

Nesta sexta-feira (13/12/2013), o Núcleo de Divulgação Científica e Ensino de Neurociências (NuDCEN) e o grupo de pesquisa NEUROEDUC, compostos por participantes de Ciências e Cognição, encerraram suas atividades do ano de 2013. Em sua última reunião do ano, seguida de uma confraternização, o grupo fez um balanço das atividades ao longo do período e discutiu o calendário para o ano de 2014. Muitos projetos estão por vir!!!

A Organização Ciências e Cognição deseja à todos um Feliz Natal e um Próspero 2014! Continuem acompanhando nossas redes sociais e nosso portal para ficarem informados sobre as próximas ações!

Agende a sua escola para receber o Dia do Cérebro!

537884_683576444985705_1538299370_nO agendamento 2014 para as visitações do “Dia do Cérebro” já começaram! Se você é aluno, professor ou funcionário de qualquer escola pública ou particular de ensino básico (fundamental e médio) da cidade do Rio de Janeiro e região metropolitana, e está interessado em receber as atividades do Museu Itinerante de Neurociências (MIN), basta acessar o site www.cienciasecognicao.org/min e clicar na aba “Agendamento 2014” para conferir as informações do edital. As inscrições vão até o dia 12 de dezembro.

O MIN vai às escolas e espaços não formais de ensino uma vez por mês, sempre às sextas feiras, com as atividades ocorrendo no turno da tarde (de 13:00 às 17:00 hs). O projeto tem por finalidade oferecer os primeiros contatos de alunos e visitantes com fundamentos básicos de neurociências, auxiliando a formação de conhecimentos que poderão ser recuperados, posteriormente, durante o ensino formal.

Inscrições abertas para o VI Curso de Formação Continuada em Neuroeducação

Os alunos da edição anterior, com o coordenador, Dr Alfred Sholl-Franco ao centro

Os alunos da edição anterior, com o coordenador, Dr Alfred Sholl-Franco ao centro

Já estão abertas as inscrições para o VI Curso de Formação Continuada em Neuroeducação, organizado por Ciências e Cognição! As inscrições podem ser feitas até o dia 30 de novembro, e o curso será realizado entre os dias 27 e 31 de janeiro de 2014 no auditório do Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho, no Centro de Ciências da Saúde da UFRJ, Ilha do Fundão.

O curso tem por objetivo a formação continuada e complementação acadêmica dos participantes na área de neuroeducação, contribuindo para a difusão do conhecimento desenvolvido no meio acadêmico-científico, preferencialmente, entre os profissionais da educação básica e de áreas relacionadas (agentes mediadores do processo ensino-aprendizagem). Visa, ainda, a promoção de uma maior comunicação entre os profissionais do ensino básico com pesquisadores.

Os candidatos interessados passarão por uma pré-seleção para as 40 vagas disponíveis. A ficha e critérios de inscrição, além de conteúdo programático e o edital completo com demais informações podem ser acessados no site www.cienciasecognicao.org clicando no link “CURSOS E PALESTRAS”.

Quem faz o ‘Neurociências em Debate’?

neurodO Neurociências em Debate é o blog mantido pelo Ciências e Cognição, e surgiu em 2012 a partir da iniciativa dos Drs. Elisabete Castelon Konkiewitz e Alfred Sholl-Franco, com o intuito de reunir pessoas interessadas pelas neurociências. O blog é mantido por uma equipe de 5 pessoas além da coordenadora, Dr. Elisabete, formada em medicina pela UNIFESP e professora da UFGD, sendo eles: Edward Ziff, professor da Escola de Medicina de Nova York; Gláucio Aranha, coordenador e pesquisador da Organização Ciências e Cognição; Alfred Sholl-Franco, professor no Instituto de Biofísica da Universidade Federal do Rio de Janeiro e também coordenador da Organização Ciências e Cognição; Paulo Estevão Andrade, professor da FUNDEPE e UNESP e Olga Valéria Andrade, pesquisadora do CNPq.

A ideia surgiu a partir do interesse em comum dos coordenadores de divulgar o conhecimento em neurociências. As postagens do blog vão desde divulgação de eventos científicos e artigos sobre doenças que afetam o cérebro – tanto em português como em inglês –  à presença da neurociência nas artes, literatura, cinema e música.

Em paralelo com a revista científica Ciências & Cognição, o Neurociências em Debate traz em sua proposta mais liberdade e dinamismo nas postagens, além da linguagem acessível a um público menos familiarizado com o mundo da ciência como é o que lê o nosso periódico. Entretanto, isto não significa menos comprometimento com o conteúdo ou separação dos públicos: todos estão convidados a frequentar e participar da nossa comunidade, tanto através do Neurociências em Debate e da revista, como pelas diversas ações que a Organização Ciências e Cognição realiza.

Para entrar no blog, acesse: www.cienciasecognicao.org/neuroemdebate

Integrantes do CeCNuDCEN palestraram em Encontro de popularização

2-encontro-tecnolgiaOs professores Gláucio Aranha e Alfred Sholl-Franco marcaram presença no II Encontro Nacional de Popularização da Ciência, Tecnologia e Inovação, que ocorreu entre os dias 18 e 20 de setembro no Auditório de Geociências da Universidade Federal Fluminense, em Niterói.

Com palestras no formato de Mini-conferências de 30 minutos seguida de debates, o primeiro a se apresentar foi o professor Gláucio Aranha, na quarta-feira (18) com o tema: Roteirização de material transmídia: apropriações e inapropriações na divulgação científica, que tratou sobre a necessidade de um maior diálogo entre os profissionais da educação e os cientistas na hora de fazer a divulgação e preparação de material transmídia para o ensino. Além disso, o professor falou também sobre a importância de se conhecer o material de trabalho e seus requisitos para que o projeto atinja seus objetivos no que diz respeito à popularização da ciência, tecnologia e informação.

Já na sexta-feira (20), o professor Alfred Sholl-Franco esteve presente ao auditório durante o módulo que trata sobre a importância das olimpíadas científicas nacionais para os jovens estudantes, e falou sobre sua iniciativa de realizar a Olimpíada Brasileira de Neurociências, da qual é também coordenador. O tema de sua palestra foi “O papel das olimpíadas de neurociências na difusão científica entre estudantes do ensino médio”. Em sua primeira edição, em agosto de 2013, a OBN classificou um estudante brasileiro para participar da competição internacional em Viena, na Áustria, e pretende se expandir por todo o país e atingir estudantes de todas as escolas dos ensinos fundamental e médio.

Em sua segunda edição, o Encontro Nacional de Popularização da Ciência, Tecnologia e Inovação foi realizado pela Universidade Federal Fluminense e seu Núcleo de Divulgação e Ensino de Neurociências, com apoio da FAPERJ, PROEX, Capes, Desperta e a Organização Ciências e Cognição. Mais informações sobre o encontro podem ser acessadas no site oficial: www.popcientec.uff.br

Primeiro Workshop “Arte com Ciência”

A Organização Ciências e Cognição, em parceria com a Universidade Federal do Rio de Janeiro, organizou no dia 20 de julho de 2013, no auditório do Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho, localizado na Cidade Universitária, o primeiro Workshop “Arte com Ciência”. O evento reuniu profissionais interessados no conhecimento e aplicação das artes como ferramenta educacional e científica e foi realizado em um sábado entre 9 e 17 horas, contando com palestras e atividades dinâmicas de assuntos variados dentro do universo das artes relacionadas à cognição.

Fazendo uma retrospectiva histórica e uma abordagem sobre a presença da arte ao longo das sociedades, o professor Gláucio Aranha, do Núcleo de Divulgação Científica e Ensino de Neurociências (CeC-NuDCEN), abriu o evento seguido pela professora do Colégio de Aplicação da UFRJ, Maria Alice Sena, que trouxe para debate a questão da afinação vocal como processo cognitivo. Ainda na parte da manhã, o professor André Ramos, da Escola de Belas Artes da UFRJ, abordou estratégias educacionais para a geração Y.

Na parte da tarde, o Workshop foi marcado por dinâmicas em grupo, que fizeram com que os participantes interagissem com as ferramentas propostas pelos professores e entre si. Na dinâmica “Canto em grupo”, também coordenada pelo professora Maria Alice Sena, os alunos participaram de atividades envolvendo a voz e a coordenação motora. As atividades “Ludificação – Quando o jogo é o método” e “Narrativa Transmídia: o uso de novas mídias para uma educação colaborativa”, apresentadas respectivamente pelos professores André Ramos e Gláucio Aranha trouxeram para o auditório ferramentas e temas presentes no cotidiano das gerações atuais, instrumentalizando os participantes para o uso destas ferramentas no processo de ensino-aprendizagem.

Está prevista a realização do Workshop semestralmente e as inscrições serão abertas a todos os interessados, devendo ser feitas através do site do Ciências e Cognição. A divulgação das próximas edições será feita através do site, Facebook e Twitter. Acompanhe!

A equipe do Núcleo de Divulgação Científica e Ensino de Neurociências fez ainda a cobertura do Workshop que resultou em um vídeo com imagens exclusivas, que pode ser assistido logo abaixo:

Pesquisadora do CeC-NuDCEN estuda TGD

A professBianca Fonsecaora colaboradora da UERJ, psicopedagoga e terapeuta na Movimento Uniforme Reeducação Cognitivo-motora e Neurorreabilitação, Bianca Fonseca, fala sobre o desenvolvimento de sua pesquisa, que busca facilitar a acessibilidade ao desenvolvimento sensório-motor de crianças com Transtorno Global do Desenvolvimento (TGD).

Ciências e Cognição: Como é composta a equipe do projeto?

Bianca: O projeto é composto por uma equipe transdisciplinar de profissionais das áreas da ciência da motricidade humana, pedagogia, psicopedagogia, fonoaudiologia, psicologia, biologia, psicomotricidade, fisioterapia e neurociências, além de tecnólogos e engenheiros do INT e ainda as crianças diagnosticadas com TGD atendidas hoje pela AAPA e selecionadas para participarem dessa pesquisa.

Ciências e Cognição: Quais as dificuldades apresentadas por essas crianças que possuem TGD?

Bianca:
Com relação à interação social, elas apresentam dificuldades em iniciar e manter uma conversa; algumas evitam o contato visual e demonstram aversão ao toque do outro, mantendo-se isoladas. Podem estabelecer contato por meio de comportamentos não verbais e, ao brincar, preferem ater-se a objetos no lugar de movimentar-se junto das demais crianças. Os Transtornos Globais do Desenvolvimento também causam variações na atenção, na concentração e, eventualmente, na coordenação motora.

Ciências e Cognição: O TGD, Transtorno Global de Desenvolvimento, também pode ser chamado de autismo? Se não, qual a diferença entre eles?

Bianca: Transtorno Global do Desenvolvimento (TGD) é um transtorno que compromete o desenvolvimento do sujeito devido a distúrbios nas interações sociais recíprocas que costumam manifestar-se nos primeiros cinco anos de vida. Caracterizam-se pelos padrões de comunicação estereotipados e repetitivos, assim como pelo estreitamento nos interesses e nas atividades. O TGD engloba os diferentes transtornos do espectro autista, as psicoses infantis, a Síndrome de Asperger, a Síndrome de Kanner e a Síndrome de Rett.

Ciências e Cognição: O que é integração sensorial, qual seu papel no aprendizado e sua importância para o desenvolvimento desta pesquisa?

Bianca: A Integração Sensorial é o processo pelo qual o Sistema Nervoso Central organiza estímulos sensoriais para fornecer respostas adaptativas às demandas do ambiente. Respostas adaptativas exigem que o indivíduo experimente um tipo e uma quantidade de estimulação sensorial que desafia, mas não sobrecarrega o sistema nervoso central a fim de que o sujeito possa modular o estímulo captado no ambiente e possa elaborar respostas motoras que melhor respondam a essa demanda. Uma desordem, como o TGD (transtorno global do desenvolvimento) pode conduzir a interações desorganizadas e não adaptativas com o meio. Tem sido demonstrado em nossa pesquisa, a importância dos sistemas tátil e vestibular-proprioceptivo como sistema de unificação, cuja operação eficiente promove o desenvolvimento geral de comportamentos e que a estimulação contextualizada, através de atividades sensoriais, produz modificações neurofisiológicas caracterizadas pela ativação de redes neurais através do qual o cérebro recebe, registra e organiza o input sensorial para uso na generalização das respostas adaptativas do sujeito através de seu corpo ao meio circundante. Os inputs vestibular e somatossensoriais têm um papel vital na criação de modelos precisos do corpo para o controle postural necessário à orientação corporal em relação à gravidade e ao meio. O processo de feedback sensorial produzido pelo movimento permite adaptação de ações motoras às mudanças das demandas do meio e das tarefas e facilita a aprendizagem motora, assim como componentes de aprendizagem perceptual e cognitiva. Logo, integração saudável e respostas aos inputs sensoriais não é apenas a base da aprendizagem, mas também a base desenvolvimento emocional e social, autoconceito e auto regulação do indivíduo.

Ciências e Cognição: Que resultados a pesquisa já aponta?

Bianca: Os resultados preliminares demonstraram um aumento de respostas depois de oficinas com o uso do material testado em 80% dos participantes, o que sugere que a integração sensorial estimulada por ambientes enriquecidos multissensoriais promovem respostas mais adaptativas ao meio ambiente. Este efeito pode estar relacionado à atenção, provavelmente gerando aumento da discriminação intrassensorial em crianças com TGD que apresentam dificuldade para realizar tarefas cotidianas.

Palestra de Norberto Coimbra fecha Olimpíada de Neurociências

O Núcleo de Divulgação Científica e Estudos de Neurociências convida todos os interessados para a palestra do professor Norberto Coimbra, da Faculdade de Medicina da USP de Ribeirão Preto, a ser realizada neste sábado, dia 03 de agosto, às 11h30 na UFRJ. O tema da palestra é “O Estudo da Ansiedade, do Estresse, e da Depressão sob o Enfoque da Neurociência e seus Reflexos no Trabalho.” A entrada é franca e não há necessidade de inscrição.

A palestra ocorrerá logo após a primeira Olimpíada Brasileira de Neurociências (OBN), na sala G1-022 do Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho do Centro de Ciências da Saúde, na UFRJ – Campus Ilha do Fundão, que reunirá estudantes de três estados diferentes competindo pelo direito de representar o Brasil na Olimpíada Internacional de Neurociências em setembro, na Áustria. A OBN terá seu início às 9 horas da manhã e término previsto para as 11h30, seguida pela palestra e a cerimônia de encerramento e premiação da competição. Todos os eventos são abertos ao público. Para mais informações, acesse: http://www.cienciasecognicao.org/brazilianbrainbee

I Olimpíada Brasileira de Neurociências em agosto

Obn2A I Olímpiada Brasileira de Neurociências (OBN), que tem como coordenador o Dr. Alfred Sholl-Franco, está chegando! Depois de passar pelas competições locais, alunos do ensino médio dos estados de São Paulo (Ribeirão Preto), Minas Gerais (Juiz de Fora) e Rio de Janeiro (Rio de Janeiro) testarão seus conhecimentos sobre temas que vão desde neuroanatomia e neurofisiologia até testes laboratoriais e o diagnóstico de doenças que acometem o sistema nervoso. O vencedor da competição nacional, que ocorrerá dia 03 de agosto na Universidade Federal do Rio de Janeiro, terá a chance de participar da Competição Internacional (International Brain Bee), a qual ocorrerá de 21 a 26 de setembro de 2013, em Viena (Áustria). Os competidores devem ficar atentos ao calendário com as datas importantes presente no sitio oficial onde serão divulgadas as informações detalhadas do local e horário de realização das provas. No portal Ciências e Cognição é possível encontrar materiais de estudo para download gratuito (clicando aqui), assim como nas páginas das competições locais.

A OBN é voltada para estudantes do ensino médio de escolas públicas e privadas, com idade entre 14 e 19 anos. Para participar das próximas olimpíadas locais é preciso procurar o comitê existente em sua região. Atualmente, existem três comitês locais localizados em Juiz de Fora (MG), Ribeirão Preto (SP) e Rio de Janeiro (RJ), mas a coordenação nacional incentiva e trabalha para a criação de novos comitês. Os interessados em iniciar novos comitês locais devem entrar no sitio (clicando aqui) para mais informações. No mundo todo existem mais de 150 comitês em 30 países e a competição internacional já ocorre desde 1998. Segundo o Doutor Norbert Myslinski, neurocientista e fundador da Internacional Brain Bee, “ela motiva nossa juventude para aprender mais sobre o cérebro… Precisamos de sua energia e sua paixão para ajudar a encontrar a cura para doenças como autismo, doença de Parkinson, esclerose múltipla, lesão da medula espinhal e outros transtornos cerebrais”

Junto com diversos projetos, como o Museu Itinerante de Neurociências, a revista Ciências e Cognição, o Curso de Verão em Neurociências e o Curso de Formação Continuada em Neuroeducação, a Olimpíada Brasileira conta com a participação de profissionais, docentes e estudantes de várias áreas interessados em divulgar e popularizar as neurociências e estimular vocações.

 

NEPENC e CeCNuDCEN: novas parcerias

parceriaO CeCNuDCEN (Ciências e Cognição – Núcleo de Estudos Científicos e Ensino de Neurociências) comemora as parcerias de sucesso que têm diversificado e ampliado à outras instituições de ensino a atuação do núcleo. Iniciada através do NEPENC (Núcleo de Estudos e Pesquisas em Neuropsicologia Cognitiva), a parceria com o UNIFSJ (Centro Universitário São José) de Itaperuna, município do noroeste fluminense, já existe desde o final de 2012.

Segundo a professora Hegle Dias, responsável pela iniciativa de ampliar a parceria entre o NEPENC e o CeCNuDCEN também à UNIFSJ, a associação tem o objetivo de “incentivar a pesquisa no interior do estado do Rio de Janeiro, expandindo e somando experiências” e já trouxe resultados como a participação de sua instituição na IV Semana do Cérebro, projeto realizado por Ciências e Cognição. A perspectiva é que o grupo de trabalhos e projetos possa se expandir para estados além do Rio de Janeiro, como Minas Gerais e Espírito Santo.

“Para nós, do NEPENC e do UNIFSJ, essa parceria com o CecNudcen representa a realização do desejo de somar forças, crescer, acrescentar e enriquecer o exercício de pesquisa, ampliar os horizontes de nossos alunos, estender a divulgação de conhecimento em nossa comunidade, enfim… Nossa parceria está fundamentada no interesse em pesquisa, na perspectiva de multidisciplinaridade, na afinidade em nossos focos de estudo, temáticas, métodos e na possibilidade de produção e expressão artística. Desejamos então, que seja uma feliz parceria para todos nós!” Completa Hegle, que também é coordenadora de pesquisa no CenPe (Centro de Pesquisa da UNIFSJ).

O NEPENC, coordenado pela professora Sylvia Joffily, desenvolve projetos de pesquisa, extensão e ensino de Neurociências com foco no sono e processos cognitivos, promovendo o conhecimento através do uso de objetos paradidáticos (confeccionados em sucata e materiais orgânicos), além de realizar ciclos de debates, grupos de leitura dramática, temas em cordel, entre outros.