Reunião do grupo de pesquisa NEUROEDUC – dia 08/04/19

Informamos que a próxima reunião do grupo de pesquisa NEUROEDUC será realizada no dia 08/04/2019 (segunda-feira), às 10:00, na sala G-015, do Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho (IBCCF), localizado no Centro de Ciências da Saúdes (CCS), da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), na Ilha do Fundão. O tema da reunião será a implementação do projeto do projeto RedENeuro.

Linha de pesquisa em TDAH tem desdobramento com novo integrante

No dia 26/02/2019, a equipe de Ciências e Cognição teve a feliz notícia sobre a aprovação de João Vitor Gallo Esteves no processo seletivo de doutorado (MD/PhD) do Programa de Pós-Graduação em Ciências Biológicas: Biofísica, do Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho (IBCCF/UFRJ), onde desenvolverá a pesquisa “Prevalência de alterações visomotoras e efeitos de um programa de estimulação visomotor nas habilidades de leitura em escolares com Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) da rede pública de ensino do município de São Fidélis-RJ“, sob a orientação do Prof. Dr. Alfred Sholl Franco (IBCCF/UFRJ).

O projeto conta com o apoio da Organização Ciências e Cognição (OCC) e CENSUPEG, buscando contribuir para o aumento do conhecimento sobre TDAH e formas de melhorar as condições de vida de crianças com o transtorno.

João Vitor atuava em diversos projetos de Ciências e Cognição, em especial em atividades relacionadas com o Núcleo de Novas Tecnologias e Mídias (NNOTEM). Seu comprometimento e conhecimento vem ser reforçado por mais este passo, agora integrando a equipe de pesquisadores do Neuroeduc (Núcleo de Pesquisa em Neurociências e Educação).

“Redes Sociais na Divulgação Científica como Campo de Pesquisa” – Prof. Dr. Glaucio Aranha

Este vídeo foi gravado durante as atividades práticas do “I Semana Arte+Ciência”, que ocorreu em 19/11/2016, no Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho (IBCCF), na UFRJ. Palestra sobre Redes Sociais na Divulgação Científica como Campo de Pesquisa – Prof. Dr. Glaucio Aranha (OCC / ESAJ-RJRJ). Evento promovido por Ciências e Cognição.

Sobre a palestrante: É doutor em Letras (área: Literatura Comparada), pela Universidade Federal Fluminense (UFF); mestre em Comunicação, Imagem e Informação (área: Novas Tecnologias da Comunicação e da Informação), pela Universidade Federal Fluminense (UFF); e graduado em Direito, pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). Atua na Divisão de Ensino e Pesquisa (DIEPE) da Escola de Administração Judiciária (ESAJ). É pesquisador-líder do grupo de pesquisa *Neuroeduc – Centro de Estudos em Neurociências e Educação* (OCC/UFRJ), no qual integra a coordenação da linha de pesquisa *Novas Mídias, Narratividade e Ensino*, com foco em narratividade em ambientes digitais aplicadas ao ensino e divulgação científica, com destaque para os temas: narrativas transmídias, narrativas interativas, hipertexto, produção de material multimídia e aplicações web. É coordenador e pesquisador da instituição de pesquisa e ensino Organização Ciências e Cognição (OCC). Pesquisador associado de *Ciências e Cognição – Núcleo de Divulgação Científica e Ensino de Neurociências*, da UFRJ (CeC-NuDCEN/UFRJ), onde desenvolve estudos sobre leitura e cognição. Atua como editor-chefe do periódico científico Ciências & Cognição (www.cienciasecognicao.org) e revisor de outros periódicos. É consultor da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP). Tem experiência na área de hipermídia, hipertexto, jogos eletrônicos, transmídia e narrativas interativas, Teoria da Literatura, Teoria da Narrativa, cultura pop japonesa (mangás, animes e games), educação e divulgação científica. Atuou, ainda, na área de Comunicação Organizacional, como responsável pelo setor de Comunicação Social e Projetos, do Instituto Nacional do Câncer (INCA) e da Ouvidoria Geral do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro.

A atividade foi promovida por “Ciências e Cognição – Núcleo de Divulgação e Ensino de Neurociências” (CeC-NuDCEN), do IBCCF/UFRJ.

O vídeo é um recorte do evento e possui direitos reservados.

Computação Cognitiva: revisão e direções para futuras pesquisas na perspectiva da administração

58012.80038-Inteligencia-ArtificialArtigo publicado no volume 21(1), da revista científica Ciências & Cognição.

COMPUTAÇÃO COGNITIVA: REVISÃO E DIREÇÕES PARA FUTURAS PESQUISAS NA PERSPECTIVA DA ADMINISTRAÇÃO

(Priscila Nesello, Ana Cristina Fachinelli)

RESUMO: A disciplina emergente de computação cognitiva faz a conexão entre as ciências da vida, ciências sociais, engenharia, ciências físicas e matemáticas e as ciências humanas. O objetivo deste artigo é identificar resultados de pesquisas em computação cognitiva e direções para o desenvolvimento de novos estudos no campo da administração. Para isso, foi utilizada bibliometria e revisão da literatura do resumo das publicações com suporte do método grounded theory e auxílio do software Maxqda 11. A partir das áreas de ênfase neurobiologia, psicologia cognitiva e inteligência artificial, identificadas na etapa de análise, foi desenvolvido um Quadro da Pesquisa em Computação Cognitiva. Também como resultados foram discutidos os marcos teóricos utilizados. O artigo conclui com uma discussão sobre questões emergentes e novas direções de pesquisa.

Texto completo: PDF

Reunião do NeuroEduc (15/07). Tema: ‘Exergames e crianças com TDAH’

logo - neuroeduc2No dia 15/07, ocorrerá a reunião do grupo de pesquisa NeuroEduc, que tratará do tema “Exergames e crianças com TDAH”, bem como da apresentação da consolidação das linhas de pesquisa, conforme discussão da última reunião (10/06). A reunião se destina, principalmente, aos integrantes dos grupos de pesquisa (pesquisadores e orientadores) do NeuroEduc e ocorrerá na sala G1-009, no Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho (IBCCF), Centro de Ciências da Saúde (CCS), Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), na Ilha do Fundão, das 10:00 às 12:00.

Resumo do tema da discussão:

Indivíduos que apresentam transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) demonstram diferenças marcantes no seu desenvolvimento perceptivo-motor. Verifica-se que crianças com TDAH apresentam maior lentidão e menor atenção quando da realização de tarefas específicas, assim como uma perda progressiva de atenção sustentada e prontidão de resposta, o que prejudica a realização de tarefas motoras. Neste sentido diversos estudos vem mostrando a importância da prática de exercícios físicos para a melhora na capacidade de concentração e de processar informações de maneira mais organizada. A partir do comentado a ideia é discutir a influência de exergames para a melhora do desenvolvimento perceptivo-motor de crianças com TDAH. Isto ocorrerá através da apresentação breve dos resultados do meu trabalho de doutorado sob a orientação do professor Alfred Sholl Franco.

Reunião do NeuroEduc – Dia 02/10/2015 – Tema: Arte+Ciência e Inclusão: uma perspectiva multidisciplinar sobre a utilização de atividades musicais

A próxima reunião do Neuroeduc (Centro de Estudos em Neurociências e Educação) acontecerá no dia 02/10/2015, no Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho (IBCCF), Centro de Ciências da Saúde (CCS), Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), na Ilha do Fundão, das 10:00 às 12:00, na sala G1-009, bloco G.

Apresentador: Liliam Ameal (Musicista, Professora do Colégio Pedro II, Mestranda do IBQM/UFRJ)

Tema: Arte+Ciência e Inclusão: uma perspectiva multidisciplinar sobre a utilização de atividades musicais

Resumo: Entendemos que as inter-relações e interlocuções entre  arte, ciência e o processo de inclusão, se mais conhecidas, poderão ajudar a lidar com as dificuldades de aprendizagem e relacionamento que encontramos na sociedade e, em particular, no ambiente educacional. Desta forma, discutiremos algumas descobertas científicas sobre a importancia da utilização de atividades/recursos musicais para a inclusão de crianças e jovens com transtorno do espectro autista (TEA), dentre outros distúrbios. Nesta apresentação será discutida ainda a estrutura de um site desenvolvido para divulgação desta temática e a pesquisa desenvolvida pelo grupo na área de musica, neurociências e inclusão.

A reunião visa apresentar e discutir temas relacionados com as pesquisas em andamento nos Grupos de Trabalho (GT), do Neuroeduc, sendo destinadas aos pesquisadores e associados de Ciências e Cognição, mas aberta para participação como ouvinte do público externo. Para o público externo, enviar e-mail com antecedência de no mínimo 24 horas, informando o desejo de participar para cecnudcen@cienciasecognicao.org, tendo em vista o número limitado de assentos. Não há emissão de certificados ou declarações de participação.

Neuroeduc discutiu Aprendizagem Significativa

No dia 03/06, o tema “A Teoria da Aprendizagem Significativa: Contribuições para o Ensino e a Pesquisa sobre o Ensino” foi apresentado e discutido no grupo de estudos Neuroeduc (Núcleo de Estudos em Neurociências e Educação), de Ciências e Cognição. A apresentação foi conduzida pela Profa. Talita da Silva de Assis (integrante do grupo e do Geas – Fiocruz).

Neurociências Aplicadas a EducaçãoO ponto de partida foi a a compreensão dos conceitos básicos e propostas da Teoria da Aprendizagem Dignificativa (TAS) e suas possíveis contribuições para a prática e para a pesquisa na área de Educação e afins. Participaram da reunião os integrantes do Neuroeduc: Alfred Sholl, Glaucio Aranha, Talita da Silva de Assis, Mariza Sodré, Fabiana Villaça, bem como ouvintes externos. As reuniões do Neuroeduc são abertas para a participação de ouvintes e o calendário das reuniões é divulgado através da pagina do Neuroeduc.

Reunião do Neuroeduc – 03/07/2015 – Tema: A Teoria da Aprendizagem Significativa: Contribuições para o Ensino e a Pesquisa sobre o Ensino (Talita Assis)

03/07/2015: das 10:00 às 12:00h (sexta-feira) – G1-030

  •  Apresentador: Talita da Silva de Assis (Geas- Fiocruz, CeC-NuDCEN e SEEDUC)
  • Tema: A Teoria da Aprendizagem Significativa: Contribuições para o Ensino e a Pesquisa sobre o Ensino
  • Resumo: A Teoria da Aprendizagem Significativa proposta por David Ausubel, em 1963, é uma abordagem pedagógica com viés construtivista voltada para o ensino, o que a torna totalmente atual. Sua ênfase sobre a importância em conhecer o que o aluno sabe para então organizar o ensino em função disso, chama a atenção para cuidados que a principio podem parecer pouco importantes, mas cuja ausência tem contribuído para prejuízos no processo de ensino-aprendizado no cenário educacional brasileiro. Além disso, Ausubel mostra que aprender é uma co-responsabilidade de alunos e professores. O primeiro deve ter intenção de aprender significativamente, ou seja, fazer interações substantivas, não-literais e não-arbitrárias com o conhecimento a ser aprendido; e ao professor cabe dominar sua área de ensino, selecionando conceitos estruturantes, organizando materiais potencialmente significativos a partir dos conhecimentos prévios de seus alunos, compartilhando significados e buscando evidências de que está ocorrendo a aprendizagem significativa. Por se tratar de uma teoria de ensino, a Aprendizagem Significativa também se apresenta como um referencial interessante a ser adotado na formação de pesquisadores na área de ensino e análises relacionadas.