As emoções como uma resposta automática e adaptável

“Emoções e teatro do corpo: uma oficina para ensino e divulgação da neurociência” foi um dos projetos apresentados por membros do Ciências e Cognição durante o “Neuroscience 2013″, evento da Society for Neuroscience que está em sua 43º edição e que ocorreu entre 9 e 13 de novembro em San Diego, Califórnia. Os encontros buscam desvendar novas ferramentas que otimizem e desenvolvam o conteúdo científico de maneira geral, através de parcerias entre os profissionais que o integram, por exemplo.

Confira abaixo tradução alternativa do pôster:

“Emoções e teatro do corpo: uma oficina para ensino e divulgação da neurociência”

  • Introdução

Como parte do projeto desenvolvido por “Ciências e Cognição – Núcleo de Divulgação Científica de Ensino de Neurociências” (CeC-NuDCEN), no Rio de Janeiro – Brasil, um conjunto de oficinas focando em alguns aspectos das emoções foram planejadas como forma de contextualizá-las como importantes ferramentas no processo de ensino-aprendizagem nas ciências básicas do cérebro. Neste sentido, criamos a oficina “Emoções e teatro do corpo”. O objetivo dela foi demonstrar o papel das emoções como uma resposta automática e adaptável que integra mecanismos homeostáticos, bem como promove reações comportamentais específicas ao longo da vida.

  • Metodologia

A oficina foi desenvolvida com 360 participantes, e incluiu experiências emocionais de surpresa, medo e/ou aversão. Para produzir qualquer uma dessas emoções, uma caixa cheia de baratas de laboratório foi usada como fonte de estímulos emocionais. A caixa tinha uma capa plástica removível e uma abertura lateral, em quem os participantes foram instruídos a colocar suas mãos enquanto ela estava coberta. Depois, a capa foi removida para mostrar as baratas e as reações emocionais foram registradas, usando: (a) câmera de vídeo para verificar as mudanças na linguagem corporal, (b) um MindWave móvel para verificar as mudanças na atividade cortical, (c) monitores de batimento cardíaco para verificar mudanças neste aspecto. (figura 1)

Legenda figura 1: caixa com baratas, coberta e descoberta.

Resultados

a) Todos os participantes expressaram mudanças na linguagem corporal, caracterizados como uma das três emoções primárias: surpresa, medo ou aversão, como nos exemplos. (figura 2)

Legenda figura 2: linguagem corporal após os estímulos

b) o padrão de onda cerebral cortical mudou, mostrando um aumento de 22%, em média, de prevalência de ondas beta depois dos estímulos. (n=360 p < 0,01 )

Legenda figura 3: prevalência de ondas beta antes e depois dos estímulos visuais

c) todos os participantes aumentaram seus batimentos cardíacos numa média de 16% depois dos estímulos.

Legenda figura 4: batimentos cardíacos antes e depois dos estímulos visuais.

  • Conclusão

Concluindo, esta oficina contribuiu para divulgação da neurociência e para ampliar o conhecimento dos participantes sobre como o sistema  nervoso coordena as reações emocionais que impactam o comportamento afetivo humano.

Veja a versão do cartaz apresentado no Neuroscience 2013:

Clique sob a imagem para melhor visualização.

Clique sob a imagem para melhor visualização.

 

 

 

 

Trabalho sobre exergames no processo de ensino-aprendizagem é apresentado no Neuroscience 2013

“O uso dos exergames durante o processo de ensino-aprendizagem e atividades de divulgação da neurociência” foi um dos projetos apresentados por membros do Ciências e Cognição durante o “Neuroscience 2013”, evento que está em sua 43º edição. Ele ocorre entre 9 e 13 de novembro, para desvendar novas ferramentas que otimizem e desenvolvam o conteúdo científico de maneira geral, através de parcerias entre os profissionais que o integram, por exemplo.

Abaixo, segue tradução alternativa do pôster exposto:

O uso dos exergames durante o processo de ensino-aprendizagem e atividades de divulgação da neurociência

  • Introdução

Exergames promovem poderoso trabalho cognitivo, através de mecanismos de realidade virtual durante execução de tarefas motoras. Neste sentido, o objetivo deste estudo foi analisar o plano e aplicação de um workshop de exergame,  empregado ao longo de três anos (2011-2013). Ademais, avaliamos as contribuições desta ferramenta de ensino-aprendizagem em espaços formais e não formais de ensino.

  •  Metodologia e resultados

O “Dia do Cérebro” é um evento mensal de divulgação científica e ensino neurocientífico que acontece em escolas públicas e privadas, em que o projeto “Museu Itinerante de Neurociências” desenvolveu diversas atividades relacionadas a esse tipo de conteúdo. Realizou 32 visitas em espaços formais e não formais de educação, com a presença de quase 20.000 participantes ao longo de 2011-2013. Múltiplas atividades foram feitas, abordando temas como sentidos, movimento, memória, aprendizado e linguagem.

Durante a atividade “Memória em movimento”, analisamos os aspectos da memória operacional (MO)  e a integração sensório-motora usando o exergame Dance Dance Evolution” (DDR).  Neste jogo, o indivíduo precisa seguir as setas de uma plataforma de dança, acompanhando as indicações sequenciais corretas. A quantidade de erros e “combos” foram registrados.

Os participantes foram convidados a jogar novamente, mas nessa segunda vez, com elementos distrativos; além de observar as setas para executar a sequência de movimentos, o jogador deve executar ao mesmo tempo tarefas específicas (pronunciar palavras e fazer cálculos matemáticos).

O trabalho multitarefa foi realizado para mostrar a importância da atenção durante a realização de atividades relacionadas à memória operacional, e como resultado, pudemos observar o crescimento significativo de erros e o decrescimento de “combos” durante a segunda performance multitarefa.

  • Conclusão:

Em conclusão, jogos são importantes ferramentas a serem exploradas durante os processos de ensino-aprendizagem, agindo através de formas sociais e afetivas para contribuir com a melhoria cognitiva. Portanto, o uso de exergame nesta oficina (i) explorou o componente lúdico da atividade; (ii) contribuiu para a difusão de conhecimento específico (integração senso motora e memória operacional); (iii) permitiu associação deste conteúdo com tarefas e ações do dia a dia.

Confira o cartaz:

Clique sob a imagem para melhor visualização.

Clique sob a imagem para melhor visualização.

IV Semana do Cérebro no “Neuroscience 2013”

Sendo a maior organização mundial sem fins lucrativos de médicos e cientistas, a Society for Neuroscience realiza em 2013 seu 43º Encontro Anual, que acontecerá de 9 a 13 de novembro em San Diego, Califórnia. O evento acontece para desvendar novas ferramentas que otimizem e desenvolvam o conteúdo científico de maneira geral, através de parcerias entre os profissionais que o integram, por exemplo.

O Ciências e Cognição integra o encontro, levando algumas ações desenvolvidas.

Uma das atividades em questão é a “IV Semana do Cérebro”, um evento anual realizado internacionalmente durante o mês de março, desde 1995. No Brasil, a Organização Ciências e Cognição (OCC) e o Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho (IBCCF), através de “Ciências e Cognição – Núcleo de Divulgação Científica e Ensino de Neurociências” (CeC-NuDCEN) foram os pioneiros em organizar esse tipo de prática, no ano de 2010. Nesta primeira edição, ocorrida no Rio de Janeiro, houve incentivo para o desenvolvimento de atividades deste caráter em todo o País.

Em 2013, entre os dias 12 e 16 de março, foi realizada no Rio de Janeiro a “IV Semana do Cérebro: São Tantas Emoções…” que, repetindo o sucesso dos anos anteriores, contou com diversas parcerias de instituições científicas e educacionais, tais quais Universidade Federal Fluminense  (UFF), Fundação Osvaldo Cruz (Fiocruz), Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ) e Espaço Ciência Viva (ECV).

Durante o evento, as seguintes ações foram agregadas:

  • “I Olimpíada de Neurociências do Rio de Janeiro”, para estudantes de ensino médio;
  • “2º Fórum de Difusão e Popularização de Neurociências”, que contou com participação de profissionais da área da educação, além de pesquisadores de artes e ciência;
  • Laboratório aberto de práticas;
  • Visita aos laboratórios de neurociências do IBCCF, Instituto de Bioquímica Médica e o Instituto de Ciências Biomédicas, do Centro de Ciências da Saúde (CCS), da UFRJ;
  • Exposições “Arte-Ciência” e “Op Art”.

Através da Semana, mais de 1.100 pessoas, dentre elas estudantes oriundos de 18 escolas de ensino básico (sendo 14 não-privadas) e o público em geral, foram atendidos.

O evento dispõe de uma equipe de 4 coordenadores e 207 voluntários (estudantes de ensino médio, graduação e pós-graduação, docentes da educação básica e superior e profissionais de diferentes áreas.)

A constatação que fica, portanto, é a de que, em sua 4ª edição, a Semana do Cérebro é um evento importante para a divulgação científica.

Veja o pôster a ser apresentado na “Neuroscience 2013”:

Clique sob a imagem para melhor visualização.

Clique sob a imagem para melhor visualização.

“Ciências e Cognição” no 43º Encontro Anual da Society for Neuroscience

De 9 a 13 de novembro ocorrerá em San Diego – Califórnia o 43º encontro anual da Society for Neuroscience, a maior organização de cientistas e médicos dedicados a entender o cérebro e o sistema nervoso. Sem fins lucrativos e fundada em 1969, conta atualmente com cerca de 42.000 membros em mais de 90 países e 130 seções mundiais, sendo a maior praça de ideias para a neurociência em nível global.

A “Neuroscience 2013” é o local ideal para neurocientistas apresentarem a ciência “emergente”, aprenderem com outros especialistas, engendrarem colaborações com os demais colegas, explorarem novas ferramentas e tecnologias e desenvolverem suas carreiras.

Esta edição une mais de 80 países, sendo representados por mais de 30.000 profissionais. Os membros do Ciências e Cognição estão entre eles, levando algumas ações desenvolvidas. Uma delas, que será exposta no sábado (9), é sobre os clubes de arte com ciência.

O trabalho em questão descreve a estabilização e manutenção desses clubes como instrumento relevante para o ensino de neurociências aos estudantes da educação primária, secundária e de nível médio. Trata-se da produção e apreciação de arte para evidenciar conteúdos relacionados aos mecanismos de percepção, controle motor, fisiologia cognitiva entre outros tópicos neurocientíficos que surgem no desenvolvimento dessas atividades para crianças, adolescentes e o público leigo.

Confira mais informações sobre os Clubes Arte com Ciência no pôster a ser apresentado:

Clique sob a imagem para melhor visualização.

Clique sob a imagem para melhor visualização.