“VER” E “CRER”: PERCEPÇÃO E JUSTIFICAÇÃO SEMÂNTICA

Autores

  • Sylvio Allan Rocha Moreira

Palavras-chave:

percepção, justificação, semântica, internalismo, externalismo

Resumo

Defino o “problema da significação perceptual” como juízos perceptuais significam a realidade. Ofereço quatro argumentos, questionando como as perspectivas internalista e externalista lidam com esta questão. O internalismo semântico não consegue justificar como: (i) experiências perceptuais são fenômenos semânticos, supervenientes a fenômenos sintáticos; (ii) o sujeito acessa o conteúdo de suas experiências perceptuais; e (iii) juízos perceptuais derivam de experiências perceptuais. O externalismo semântico não consegue justificar como: (iv) eventos epistemologicamente subjetivos, sob condições fenomenológicas específicas, derivam de processos causais ou funcionais; e (v) juízos perceptuais acerca de fatos empíricos distinguem-se de juízos perceptuais acerca de eventos epistemologicamente subjetivos. Internalismo e externalismo devem ser restritos a distintas e específicas dimensões da relação/processo perceptual, exceto a semântica.

Palavras-chave: percepção; justificação; semântica; internalismo; externalismo.

Biografia do Autor

Sylvio Allan Rocha Moreira

S.A.R. Moreira é Bacharel em Psicologia, Mestre e Doutor em Teoria e Pesquisa do Comportamento, pela Universidade Federal do Pará (UFPA).

Publicado

2018-03-30

Como Citar

Rocha Moreira, S. A. (2018). “VER” E “CRER”: PERCEPÇÃO E JUSTIFICAÇÃO SEMÂNTICA. Ciências & Cognição, 23(1). Recuperado de http://www.cienciasecognicao.org/revista/index.php/cec/article/view/1399

Edição

Seção

Artigos Científicos / Scientific Articles