APRENDIZAGEM EM AMBIENTES VIRTUAIS: plasticidade na formação do adulto educador

Autores

  • Adriana Rocha Bruno Universidade Federal de Juiz de Fora

Palavras-chave:

plasticidade social, aprendizagem, neurociência, educação online, tecnologias da informação e comunicação

Resumo

Desde 2000, a autora deste ensaio desenvolve pesquisas que integram as áreas da Educação, Tecnologias e Ambientes Digitais e Neurociência. O foco principal de tais investigações é a aprendizagem do adulto em ambientes online.  Os estudos aqui compartilhados indicam que o adulto aprende por meio de experiências que são desenvolvidas em ciclos dinâmicos, em espiral crescente integrada, ao longo de sua vida. O conceito de plasticidade, advindo da neurociência, é entendido como condição fundamental do organismo humano e foi ampliado para compreender os processos emergentes das relações sociais, em movimentos de adequação e transformação das ações cognitivo-emocionais, essenciais para a aprendizagem humana.  A partir dessas premissas, o texto apresenta os estudos realizados pela pesquisadora / autora, que focalizam a aprendizagem do adulto educador sob dois aspectos: 1) o binômio emoção / razão e suas implicações no processo de aprendizagem e; 2) as contribuições da Neurociência e os conceitos de plasticidade e integração voltados para a aprendizagem do adulto em ambientes virtuais de aprendizagem (AVA).

Biografia do Autor

Adriana Rocha Bruno, Universidade Federal de Juiz de Fora

professora adjunta do Depto. de Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Juiz de Fora – UFJF. Doutora e Mestre em Educação: Currículo, pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUCSP). Coordenadora do Grupo de Pesquisa “Aprendizagem em Rede” - GRUPAR (UFJF). Pesquisa e atua principalmente a partir dos seguintes temas: Educação online, aprendizagem de adultos em ambientes digitais, neurociência e neuropsicologia, educação e tecnologias.

Publicado

2010-04-21

Como Citar

Bruno, A. R. (2010). APRENDIZAGEM EM AMBIENTES VIRTUAIS: plasticidade na formação do adulto educador. Ciências & Cognição, 15(1), pp. 43-54. Recuperado de http://www.cienciasecognicao.org/revista/index.php/cec/article/view/291