DA MARGINALIDADE À INCLUSÃO: A SOCIALIZAÇÃO ATRAVÉS DA EDUCAÇÃO NO PRESÍDIO DE ARAGUAÍNA (TO)

Autores

  • Luiza Helena O. da Silva Universidade Federal do Tocantins (UFT)
  • Francisco Neto P. Pinto Universidade Federal do Tocantins (UFT)
  • Kátia Cristina C. F. Brito Universidade Federal do Tocantins (UFT)

Palavras-chave:

educação, inclusão social, análise do discurso, estudantes sob custódia

Resumo

Resumo


O presente trabalho discute a experiência educativa desenvolvida no presídio de segurança máxima de Araguaína, norte do Tocantins. Utiliza como subsídio teórico a Análise do Discurso Francesa (AD), definindo como objetivos a análise das representações e expectativas em torno da escolarização por parte de alunos sob custódia e das propostas apresentadas pelo projeto que orienta as atividades docentes ali desenvolvidas. Como corpus, foram utilizados textos dos alunos custodiados e material relativo à formação continuada, módulo de Didática. Compreendida na perspectiva da reintegração social, a educação obedece às demandas legais referentes aos direitos de acesso à escolarização, ao mesmo tempo em que visa aos propósitos da ruptura com o processo de exclusão/marginalidade. A pesquisa aponta para os conflitos inerentes às práticas de educação de alunos sob custódia, identificando a distância entre o que se pretende como projeto para esse grupo social e o que se efetiva no cotidiano escolar.

Abstract


This article aims to discuss an educational experience carried out in a maximum security prison in the north of the Brazilian state of Tocantins. It draws on French Discourse Analysis (DA), with a view to analyzing the representations and expectations surrounding schooling by learners in custody as well as the proposals put forward by the pedagogical project developed in the prison. Texts written by the students in custody and material related to their continuing education (Didactics module) have been used as corpora. In the context of, educational reintegration addresses the legal right to an education as well as the purposes of breaking the chains of exclusion and criminality. The present research focuses on the conflicts inherent to the educational practices of students in custody, identifying the distance between the objectives of the project for this social group and what effectively happens in the classroom.

Biografia do Autor

Luiza Helena O. da Silva, Universidade Federal do Tocantins (UFT)

Doutora em Estudos da Linguagem (Universidade Federal Fluminense, UFF). Atua como docente no Curso de Letras e na Especialização em Leitura e Produção Escrita (UFT), campus de Araguaína

Francisco Neto P. Pinto, Universidade Federal do Tocantins (UFT)

Graduando em Letras (UFT, campus de Araguaína).

Kátia Cristina C. F. Brito, Universidade Federal do Tocantins (UFT)

Mestre em Engenharia de Produção (Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC). Atua como docente no Curso de Pedagogia (UFT), campus de Palmas, e no curso de Especialização em Leitura e Produção Escrita (UFT, Araguaína).

Publicado

2009-04-06

Como Citar

Silva, L. H. O. da, Pinto, F. N. P., & Brito, K. C. C. F. (2009). DA MARGINALIDADE À INCLUSÃO: A SOCIALIZAÇÃO ATRAVÉS DA EDUCAÇÃO NO PRESÍDIO DE ARAGUAÍNA (TO). Ciências & Cognição, 13(3), 214-230. Recuperado de http://www.cienciasecognicao.org/revista/index.php/cec/article/view/76

Edição

Seção

Artigos Científicos / Scientific Articles