SABER FORMAL E SABER LOCAL: CONVERGÊNCIAS E ASSIMETRIAS

Autores

  • José Carlos Leite Universidade Federal de Mato Grosso
  • Eude Fernandes Leite Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados, Mato Grosso do Sul.

Palavras-chave:

saber local, saber formal, tecnologias do precário, quilombolas do Guaporé

Resumo

Resumo

O texto busca problematizar convergências e assimetrias relacionadas ao saber formal e aos saberes locais. Suspeita-se que a assimetria entre os saberes referidos ocorre no processo de difusão, e não no momento de sua criação. Aí haveria uma convergência entre o saber formal e os saberes locais. Outra suspeita é que o papel preponderante para a ocorrência de assimetrias ou ­demarcação de fronteiras seria propiciado pelo ambiente físico-social, por meio dos processos em deriva que marcam o espalhamento de toda criação. O que o texto apresenta de novo é que seus resultados surgem não apenas de uma revisão bibliográfica, ou de um discurso meramente especulativo a respeito da relação entre saber local e formal, mas também toma por base vivências dos autores, observações de campo e mesmo experimentações monitoradas e controladas. © Cien. Cogn. 2012; Vol. 17 (2): 135-154.

Palavras-chave: saber local; saber formal; tecnologias do precário; quilombolas do Guaporé.

 

Biografia do Autor

José Carlos Leite, Universidade Federal de Mato Grosso

Departamento de Filosofia e Programa de Estudos Pós-Graduados em Estudos de Cultura Contemporânea. Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, Mato Grosso, Brasil.

Eude Fernandes Leite, Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados, Mato Grosso do Sul.

Professor da Faculdade de Ciências Humanas e do Programa de Estudos Pós-Graduados em História da Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados, Mato Grosso do Sul.

Referências

Alves, R.. (1993). Filosofia da ciência: introdução ao jogo e suas regras. 17. ed. São Paulo: Brasiliense.

Bandeira, M. L. (1988). Território negro em espaço branco: um estudo antropológico de Vila Bela. São Paulo: Brasiliense/CNPq.

Boff, L. (1999). Saber cuidar: ética do humano – compaixão pela Terra. Petrópolis: Vozes.

Brandão, L.; Preciosa, R. (2010). A invenção e a rua: da apropriação/reinvenção de objetos precários. Concinnitas, 2 (17), 146-157.

Castro, M.I.; Galetti, L.S.G. (1994). Histórico dos usos da biodiversidade em Mato Grosso. In: Castro, C. (Org.). Diagnóstico florestal de Mato Grosso. Brasília: IBAMA-ITTO-FUNATURA.

D´Ambrosio, U. (2006). A volta ao mundo em 80 matemáticas. Sicentific American Brasil. São Paulo, n. 11. Edição Especial – Etnomatemática. Disponível em: http://www.scribd.com/doc/7857841/Scientific-American-Etnomatematica. Acesso em: 16 de jul. 2010.

Deleuze, G; Guattari, F. (1997). O Liso e o Estriado. Em: Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. (Trad., Pelbart, P.P.; Caiafa, J.). São Paulo: Ed. 34.

Descartes, R. (1979). O método. São Paulo: Abril Cultural.

Galilei, G. (1987). O ensaiador. [Il Saggiatori, de 1623] (Trad., Barraco, H.). São Paulo: Abril Cultural.

Geertz, C. (2009). O saber local: novos ensaios em antropologia interpretativa. 11a ed. (Trad., Joscelyne, V.M.). Petrópolis/RJ: Vozes.

Ginzburg, C. (1989). Sinais: raízes de um paradigma indiciário. In: Mitos, emblemas, sinais: morfologia e história. São Paulo: Companhia das Letras.

Leite, Eudes Fernando. (2003). Marchas na história: comitivas e peões-boiadeiros no Pantanal. Campo Grande/Brasília: Ministério da Integração Nacional/EdUFMS.

Leite, J.C. (1993). Resistência e transformação do campesinato matogrossense: aspectos da luta pela terra no sudoeste de Mato Grosso. Cuiabá, 1983. Dissertação (Mestrado em Educação), Instituto de Educação, UFMT.

Leite, J.C.; Silva, V.C.; Mendes, R.R. (2010). Saber mestiço entre quilombolas do Guaporé – Vila Bela, MT, Brasil. Em: Casa de las Américas (revista). Cuba (no prelo).

Lopes, J.L. (1991). A imagem física do mundo: de Parmênides a Einstein. Estudos Avançados, 12 (5), 91-121.

Maturana, H.; Varela, F. (2001). A árvore do conhecimento: as bases biológicas da compreensão humana (Trad., Mariotti, H.; Diskin, L.). São Paulo: Palas Athena.

Platão. (1979). Diálogo Fédon. São Paulo: Abril Cultural.

Popper, K. (1980). A Lógica da investigação científica. São Paulo: Abril Cultural.

Projeto Guyagrofor (2006). Quilombolas do Guaporé – diagnóstico socioeconômico e ambiental (Relatório da 1ª. Fase). Cuiabá, UFMT. Programa de Pós-Graduação em História.

Santos, B.S. (2000). A crítica razão indolente: contra o desperdício da experiência (v. 1). Para um novo senso comum: a ciência, o direito e a polícia na transição paradigmática. São Paulo: Cortez.

Santos, B.S. (2008). A gramática do tempo: para uma nova cultura política. 2a ed. São Paulo: Cortez.

Santos, B.S. (2010). Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia dos saberes. Em: Santos, B.S.; Menezes, M.P.G. (Org.). Epistemologias do Sul (pp. 31-83). São Paulo: Cortez.

Santos, B.S; Menezes, M.P.G. (2010). Epistemologias do Sul. (pp. 31-83). São Paulo: Cortez.

Santos, B.S.; Meneses, M.P.G.; Nunes, J.A. (2004). Introdução: para ampliar o cânone da ciência: a diversidade epistemológica do mundo. Em: Santos, B.S. (Org.). Semear outras soluções: os caminhos da biodiversidade e dos conhecimentos rivais. (pp. 19-101). Porto: Afrontamento.

Serres, M. (1990). O que Tales viu aos pés da pirâmide. Em: Machado, R.; Poirot-deopech, S. (Org.). Hermes: uma filosofia das ciências. (Trad., Daher, A.). Rio de Janeiro: Graal.

Singer, P. (1994). Ética prática. São Paulo: Martins Fontes.

Publicado

2012-09-13

Como Citar

Leite, J. C., & Leite, E. F. (2012). SABER FORMAL E SABER LOCAL: CONVERGÊNCIAS E ASSIMETRIAS. Ciências & Cognição, 17(2). Recuperado de http://www.cienciasecognicao.org/revista/index.php/cec/article/view/797

Edição

Seção

Ensaios Acadêmicos / Essays