SONHAR PARA ESQUECER: UMA INTRODUÇÃO À HIPÓTESE DA “APRENDIZAGEM-REVERSA”

Autores

  • José Felipe Rodriguez de Sá
  • Thais Régis Aranha Rossi Programa de Pós-Graduação do Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia (UFBA), Salvador, BA, Brasil.

Palavras-chave:

Sonhos, Sono REM, Redes Neurais (Computação), Psicanálise, Neurofisiologia

Resumo

Resumo

As ferramentas e aportes conceituais da neurociência têm produzido avanços nas pesquisas sobre as características do sono e dos sonhos, associando estas aos processos de consolidação de memória. O presente artigo visa analisar a contribuição da hipótese da “Aprendizagem-Reversa” ao campo da psicologia. Pela natureza associativa da memória e pelo fato de forjarem-se novas conexões neurais diariamente através do aprendizado, as redes neuronais criariam memórias “falsas”. Com o risco de ficar sobrecarregada, esta rede passaria por uma “desaprendizagem” periódica; seria necessário um mecanismo para enfraquecer as conexões sinápticas errôneas durante o sono REM. As implicações dessa teoria serão avaliadas, que vão desde como evoluiu o sistema nervoso até a desconsideração de que os sonhos tenham origem nas necessidades psicológicas individuais. © Cien. Cogn. 2012; Vol. 17 (2): 168-176.

Palavras-chave: sonhos; sono REM; redes neurais; computação; psicanálise; neurofisiologia.

 

Biografia do Autor

José Felipe Rodriguez de Sá

Formado em Psicologia pela Universidade Salvador (UNIFACS); Pós-Graduando no Curso de Psicoterapia Analítica do Instituto Junguiano da Bahia (IJBA).

Thais Régis Aranha Rossi, Programa de Pós-Graduação do Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia (UFBA), Salvador, BA, Brasil.

T.R.A. Rossi é graduada em Odontologia pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), Mestre em Saúde Coletiva e doutoranda em Saúde Pública pelo Instituto de Saúde Coletiva da UFBA.

Referências

Aserinsky, E., Kleitman, N. (1953, September 4). Regularly occuring periods of eye motility, and concomitant phenomena, during sleep. Science, 118(3062): 273-274.

Bear, M. F., Connors, B. W., & Paradiso, M. A. Neurociências: Desvendando o sistema nervoso. Porto Alegre: Artmed, 2008.

Braga, A. P, Carvalho, A. C. P. L. F., & Ludemir, T. B. (2000). Redes neurais artificiais: Teorias e aplicações. Rio de Janeiro: LTC.

Brakefield, T., Hobson, J. A., Stickgold, R., & Walker, M. P. (2003). Dissociable stages of human memory consolidation and reconsolidation. Nature, 425(6958): 616-620.

Brown, D. W. (1993). Crick and Mitchinson’s theory of REM sleep and neural networks. Medical Hypotheses, 40(60): 329-331.

Brown, D. W. (1996). Autism, Asperger’s syndrome and the Crick-Mitchinson theory of the biological function of REM sleep. Medical Hypotheses, 47(5): 399-403.

Crick, F. (1979, September). Thinking about the brain. Scientific American, 241(3): 181-188.

Crick, F. (1988). What mad pursuit: A personal view of scientific discovery. New York, NY: Basic Books.

Crick, F. (1989). The recent excitement about neural nets. Nature, 337(6203): 129-132.

Crick, F. (1995). Astonishing hypothesis: The scientific search for the soul. New York, NY: Touchstone.

Crick, F., & Mitchinson, G. (1983). The function of dream sleep. Nature, 304(5922): 111-114.

Crick, F., & Mitchinson, G. (1995). REM sleep and neural nets. Behavioural Brain Research, 69(1/2): 147-155.

Dutt, S., Rao, V., Salentin, J. M., van der Helm, E., Walker, M. P., Yao, J. (2011). REM sleep depotentiates amygdala activity to previous emotional experiences. Current Biology, 21: 2029–2032.

Feinstein, D. I., Hopfield, J. J., & Palmer, R. G. (1983). ‘Unlearning’ has a stabilizing effect in collective memories. Nature, 304(5922): 158-159.

Freud, S. (1996). A interpretação dos sonhos. In: S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, trad., Vol. 4, pp. 13-363). Rio de Janeiro, Imago. (Trabalho original publicado em 1900)

Freud, S. (1996). Estudos sobre a histeria. In: S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, trad., Vol. 2, pp. 13-53). Rio de Janeiro, Imago, 1996. (Trabalho original publicado em 1895)

Globus, G. G. (1993). Connectionism and sleep. In A. Moffitt, M. Kramer & R. Hoffmann. (Eds.). The function of dreaming (pp. 119-138). Albany, NY: State University of New York Press.

Goldstein, A. N., Saletin J. M., & Walker, M. P. The role of sleep in directed forgetting and remembering of human memories. (2011). Cerebral Cortex, 21: 2534-2541.

Hobson, J. A., & McCarley, R. W. (1977). The brain as a dream state generator: An Activation-Synthesis hypothesis of the dream process. The American Journal of Psychiatry, 134(12): 1335-1348.

Hopfield, J. J. (1982). Neural networks and physical systems with emergent collective computational habilities. Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America, 79(8): 2554-2558.

Johnson, S. (2003). Emergência: A dinâmica de rede em formiga, cérebros, cidades e softwares. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Jouvet, M. (1992). O sono e os sonhos. Lisboa: Instituto Piaget.

Jouvet, M. (2001). Porque sonhamos? Porque dormimos? Lisboa: Instituto Piaget.

Knight, J. (2004). From DNA to consciousness – Crick’s legacy. Nature, 430(7000): 597.

LeDoux, J. (2001). O cérebro emocional: Os misteriosos alicerces da vida emocional. Rio de Janeiro: Objetiva.

Martin, P. (2004). Counting sheep: The science and pleasures of sleep and dreams. New York, NY: Thomas Dunne Books.

Perls, F. (1988). A abordagem gestáltica e testemunha ocular da terapia. Rio de Janeiro: LTC.

Rock, A. (2004). The mind at night: The new science of how and why we dream. New York, NY: Basic Books.

Russel, S. J. (2004). Inteligência artificial. São Paulo: Campus.

Sleigh, J. W., Steyn-Ross, D. A., Steyn-Ross, M. L., Wilcocks, L. C., & Wilson, M. T. (2005). Proposed mechanism for learning and memory erasure in a white-noise-driven sleeping cortex. Physical Review E, 72(061910).

Siegel, J. M. (2001, November 2). The REM sleep-memory consolidation hypothesis. Science, 294(5544): 1058-1063.

Solms, M. (2000). Dreaming and REM sleep are controlled by different brain mechanisms. Behavioral and Brain Sciences, 23(6): 843-850.

Stenberg, R. J. (2000). Psicologia cognitiva. Porto Alegre: Artmed.

Stickgold, R. (2005). Sleep-dependent memory consolidation. Nature, 437(7063): 1272-1278.

Strathern, P. (2001). Crick, Watson e o DNA em 90 minutos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Coleção 90 minutos).

Publicado

2012-09-13

Como Citar

de Sá, J. F. R., & Rossi, T. R. A. (2012). SONHAR PARA ESQUECER: UMA INTRODUÇÃO À HIPÓTESE DA “APRENDIZAGEM-REVERSA”. Ciências & Cognição, 17(2). Recuperado de http://www.cienciasecognicao.org/revista/index.php/cec/article/view/811

Edição

Seção

Revisões de Literatura / Literature Reviews

##plugins.generic.recommendBySimilarity.heading##

##plugins.generic.recommendBySimilarity.advancedSearchIntro##