CARACTERÍSTICAS DO MANEJO TÉCNICO E INTERPESSOAL APRESENTADAS POR PROFISSIONAIS DA SAÚDE NA INTERAÇÃO COM PACIENTES EM ESTADO DE COMA

Amanda Castro, Alessandra d’Avila Scherer

Resumo


Resumo

O presente artigo tem como objetivo analisar as características do manejo técnico e interpessoal apresentadas por profissionais da saúde na interação com pacientes em estado de coma. Para responder a este objetivo, participaram da pesquisa 14 (quatorze) profissionais da equipe de saúde que atuam em uma Unidade de Terapia Intensiva durante o período mínimo de um ano e que já tiveram contato em sua intervenção profissional com pacientes em estado de coma. O trabalho é classificado como pesquisa exploratória e qualitativa e para a coleta de dados foi utilizado um questionário composto por questões abertas e fechadas. Ao fim deste processo foram identificadas 14 ações dos profissionais de saúde que referem a interação com pacientes em coma apenas por meio do manejo técnico.  Já o manejo interpessoal é apresentado em três ações realizadas na interação com pacientes em coma. Quando questionados acerca das ações realizadas na interação com pacientes em coma, a maioria dos profissionais de saúde relacionam o manejo técnico, sem menção ao manejo interpessoal. A interação interpessoal com paciente em coma viabiliza a estimulação e consequente recuperação destes pacientes. Desse modo, é possível evidenciar a importância do conhecimento técnico acerca dos níveis de coma, bem como o suporte psicológico aos profissionais de saúde, a fim de favorecer o manejo interpessoal com pacientes comatosos. © Cien. Cogn. 2012; Vol. 17 (2): 014-027.

Palavras-chave: estado de Coma; manejo técnico; manejo interpessoal.

 


Palavras-chave


estado de Coma; manejo técnico; manejo interpessoal.

Texto completo:

PDF

Referências


Aldridge, D. et al. (1990).Where am I? Music therapy applied to coma patients. J R Soc Med. 83(6):345-6.

Andrade, A. F. et al.(2007). Coma e outros estados de consciência. Rev Med, São Paulo, Jul.-set.;86(3):123-31. Retirado em 02/05/2011, no World Wide Web: http://medicina.fm.usp.br/gdc/docs/revistadc_101_123-131%20863.pdf.

Andrade, V. M. et al. (2004). Neuropsicologia Hoje. São Paulo: Artes Médicas.

Correa, A. K. (1998). O paciente em centro de terapia intensiva: reflexão bioética. Rev.Esc.Enf.USP, Dezembro 1998, 32, (4), 297-301. Retirado em 18/05/2011, no World Wide Web: http://www.ee.usp.br/reeusp/upload/pdf/445.

Costa, J. C. da & Lima, R. A. G. de. (2005). Luto da equipe: revelações dos profissionais de enfermagem sobre o cuidado à criança/adolescente no processo de morte e morrer. Rev. Latino-Am. Enfermagem, Ribeirão Preto, Mar.-abril 2005, 13 (2) 2005. Retirado em 18/05/2011, no World Wide Web:http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-11692005000200004&lng=pt&nrm=iso>

Ferreira, M. I. P. R. (2000). A comunicação entre a equipe de saúde e o paciente em coma: dois mundos diferentes em interação. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) - Programa de Pós-Graduação em Engenharia. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2000. Retirado em 18/05/2011, no World Wide Web: .

Feuerwerker, L. C. M. & Cecilio, Luiz C. de O. (2007). O hospital e a formação em saúde: desafios atuais. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, Agosto 2007, 12, (4). Retirado em 18/05/2011, no World Wide Web:.

Hoga, L. A. K. (2004). A dimensão subjetiva do profissional na humanização da assistência à saúde: uma reflexão. Rev. esc. enferm. USP [online]. 2004, 38, (1), 13-20. Retirado em 18/05/2011, no World Wide Web: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v38n1/02.pdf.

Lawrence, M. (1997). In a world of their own: experiencing unconsciousness. Westport,

Connecticut: Praeger.

Leite, M. A. & Vila, V. da S. C. (2005). Dificuldades vivenciadas pela equipe multiprofissional na unidade de terapia intensiva. Rev Latino-am Enfermagem. 2005 março-abril; 13(2),145-50. Retirado em 18/05/2011, no World Wide Web: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v13n2/v13n2a03.pdf.

Maruyama, S. A. T. & Zago, M. M. F.(2005). O processo de adoecer do portador de colostomia por câncer. Revista Latino Americana enfermagem. 2005 março-abril. Retirado em 18/05/2011, no World Wide Web: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-11692005000200013.

Moré, C. O.; et al.(2004). As representações sociais do psicólogo entre os residentes do programa de saúde da família e a importância da interdisciplinariedade. Psicologia Hospitalar. 2004. Retirado em 18/05/2011, no World Wide Web:

Mota, R. A.; et al. (2006). Papel dos profissionais de saúde na Política de Humanização Hospitalar. Psicol. Estud. 2006, 11 (2), 323-30. Retirado em 18/05/2011, no World Wide Web: http://www.scielo.br/pdf/pe/v11n2/v11n2a10.pdf.

Pereira, F. M. (2003). A inserção do Psicólogo no Hospital Geral: A construção de uma nova especialidade. Casa de Oswaldo Cruz – FIOCRUZ . Rio de Janeiro, 2003. Retirado em 18/05/2011, no World Wide Web:

Pregnolatto, A. P. F. & Agostinho, V. B. M. O Psicólogo na Unidade de Terapia Intensiva – Adulto. In: Baptista, M. N., & Dias, R. R. (2010). Psicologia hospitalar: teoria, aplicações e casos clínicos. 2ª edição. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

Puggina, A. C. G. & Silva, M. J. P. da. (2009) Sinais vitais e expressão facial de pacientes em estado de coma. Rev. bras. enferm., Brasília,. 2009 junho, 62 (3). Retirado em 18/05/2011, no World Wide Web:.

Quintana, A. M.; et al .(2006). Sentimentos e percepções da equipe de saúde frente ao paciente terminal. Paidéia (Ribeirão Preto), Ribeirão Preto, 2006 dezembro, 16 (35). Retirado em 18/05/2011, no World Wide Web:.

Silva, A.L.; et al. (2002). O coma e seu impacto no processo de ser e viver: implicações para o cuidado de enfermagem. Rev Gaúcha Enferm, 2002; 23(2): 81-107. Retirado em 18/05/2011, no World Wide Web:http://seer.ufrgs.br/RevistaGauchadeEnfermagem/article/view/4450/2375.

Siqueir, A. B.; et al. Relacionamento enfermeiro, paciente e família: fatores comportamentais associados à qualidade da assistência. Arquivos Médicos do ABC, 2006 Julho./Dezembro.; 31(2):73-77. 2006. ). Retirado em 18/05/2011, no World Wide Web http://www.fmabc.br/admin/files/revistas/31amabc73.pdf.

Sohlberg, M. M. & Mateer, C. A. (2009). Reabilitação Cognitiva: uma abordagem neuropsicológica integrativa. São Paulo: Editora Santos.

Vila,V. da S. C. & Rossi, L. A. (2002). O significado cultural do cuidado humanizado em unidade de terapia intensiva: muito falado e pouco vivido. Rev Latinoam Enfermagem, 2002 março-abril; 10(2):137-44. Retirado em 18/05/2011, no World Wide Web: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v10n2/10506.pdf.

Zago, M. M. F.; et al. (2001). O adoecimento pelo câncer de laringe. Rev Esc Enf USP, 2001 junho; 35(2):108-14. Retirado em 18/05/2011, no World Wide Web: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v35n2/v35n2a02.pdf.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




____________

Endereço postal

Ciências e Cognição
A/C Prof. Dr. Alfred Sholl Franco

Sala G0-015, Bloco G, Centro de Ciências da Saúde.
Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho.
Universidade Federal do Rio de Janeiro.
Av. Carlos Chagas Filho S/N - Cidade Universitária
Ilha do Fundão - Rio de Janeiro, RJ 21.941-902, Brasil.

Contato Principal

Editors (Dr. Glaucio Aranha / Dr. Alfred Sholl-Franco)
Ciências e Cognição - Editors-in-chief

Ciências & Cognição
A/C Prof. Dr. Alfred Sholl Franco

Sala G0-015, Bloco G, Centro de Ciências da Saúde.
Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho.
Universidade Federal do Rio de Janeiro.
Av. Carlos Chagas Filho S/N - Cidade Universitária
Ilha do Fundão - Rio de Janeiro, RJ 21.941-902, Brasil.

E-mails:

revista@cienciasecognicao.org (principal)
cienciasecognicao@gmail.com (alternativo)


E-mail: revista@cienciasecognicao.org

Contato de Suporte

Comunication Office
E-mail: revista@cienciasecognicao.org