CARACTERÍSTICAS DO MANEJO TÉCNICO E INTERPESSOAL APRESENTADAS POR PROFISSIONAIS DA SAÚDE NA INTERAÇÃO COM PACIENTES EM ESTADO DE COMA

Autores

  • Amanda Castro Departamento de Psicologia, Universidade do Sul de Santa Catarina-Unisul, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.
  • Alessandra d’Avila Scherer Departamento de Psicologia, Universidade do Sul de Santa Catarina-Unisul, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Palavras-chave:

estado de Coma, manejo técnico, manejo interpessoal.

Resumo

Resumo

O presente artigo tem como objetivo analisar as características do manejo técnico e interpessoal apresentadas por profissionais da saúde na interação com pacientes em estado de coma. Para responder a este objetivo, participaram da pesquisa 14 (quatorze) profissionais da equipe de saúde que atuam em uma Unidade de Terapia Intensiva durante o período mínimo de um ano e que já tiveram contato em sua intervenção profissional com pacientes em estado de coma. O trabalho é classificado como pesquisa exploratória e qualitativa e para a coleta de dados foi utilizado um questionário composto por questões abertas e fechadas. Ao fim deste processo foram identificadas 14 ações dos profissionais de saúde que referem a interação com pacientes em coma apenas por meio do manejo técnico.  Já o manejo interpessoal é apresentado em três ações realizadas na interação com pacientes em coma. Quando questionados acerca das ações realizadas na interação com pacientes em coma, a maioria dos profissionais de saúde relacionam o manejo técnico, sem menção ao manejo interpessoal. A interação interpessoal com paciente em coma viabiliza a estimulação e consequente recuperação destes pacientes. Desse modo, é possível evidenciar a importância do conhecimento técnico acerca dos níveis de coma, bem como o suporte psicológico aos profissionais de saúde, a fim de favorecer o manejo interpessoal com pacientes comatosos. © Cien. Cogn. 2012; Vol. 17 (2): 014-027.

Palavras-chave: estado de Coma; manejo técnico; manejo interpessoal.

 

Biografia do Autor

Amanda Castro, Departamento de Psicologia, Universidade do Sul de Santa Catarina-Unisul, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Amanda Castro é graduada em Psicologia (Universidade do Sul de Santa Catarina).

Alessandra d’Avila Scherer, Departamento de Psicologia, Universidade do Sul de Santa Catarina-Unisul, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Alessandra d’Avila Scherer é graduada em Psicologia(PUC- Rio de Janeiro), Especialista em Gerontologia (Universidade Federal de SC), Mestre em Saúde Pública (Universidade Federal de SC). Atua como docente no Departamento de Psicologia da Universidade do Sul de Santa Catarina e Estácio de Sá Santa Catarina.

Referências

Aldridge, D. et al. (1990).Where am I? Music therapy applied to coma patients. J R Soc Med. 83(6):345-6.

Andrade, A. F. et al.(2007). Coma e outros estados de consciência. Rev Med, São Paulo, Jul.-set.;86(3):123-31. Retirado em 02/05/2011, no World Wide Web: http://medicina.fm.usp.br/gdc/docs/revistadc_101_123-131%20863.pdf.

Andrade, V. M. et al. (2004). Neuropsicologia Hoje. São Paulo: Artes Médicas.

Correa, A. K. (1998). O paciente em centro de terapia intensiva: reflexão bioética. Rev.Esc.Enf.USP, Dezembro 1998, 32, (4), 297-301. Retirado em 18/05/2011, no World Wide Web: http://www.ee.usp.br/reeusp/upload/pdf/445.

Costa, J. C. da & Lima, R. A. G. de. (2005). Luto da equipe: revelações dos profissionais de enfermagem sobre o cuidado à criança/adolescente no processo de morte e morrer. Rev. Latino-Am. Enfermagem, Ribeirão Preto, Mar.-abril 2005, 13 (2) 2005. Retirado em 18/05/2011, no World Wide Web:http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-11692005000200004&lng=pt&nrm=iso>

Ferreira, M. I. P. R. (2000). A comunicação entre a equipe de saúde e o paciente em coma: dois mundos diferentes em interação. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) - Programa de Pós-Graduação em Engenharia. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2000. Retirado em 18/05/2011, no World Wide Web: <http://www.stela.ufsc.br/defesa/pdf/400.pdf>.

Feuerwerker, L. C. M. & Cecilio, Luiz C. de O. (2007). O hospital e a formação em saúde: desafios atuais. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, Agosto 2007, 12, (4). Retirado em 18/05/2011, no World Wide Web:<http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232007000400018&lng=en&nrm=iso>.

Hoga, L. A. K. (2004). A dimensão subjetiva do profissional na humanização da assistência à saúde: uma reflexão. Rev. esc. enferm. USP [online]. 2004, 38, (1), 13-20. Retirado em 18/05/2011, no World Wide Web: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v38n1/02.pdf.

Lawrence, M. (1997). In a world of their own: experiencing unconsciousness. Westport,

Connecticut: Praeger.

Leite, M. A. & Vila, V. da S. C. (2005). Dificuldades vivenciadas pela equipe multiprofissional na unidade de terapia intensiva. Rev Latino-am Enfermagem. 2005 março-abril; 13(2),145-50. Retirado em 18/05/2011, no World Wide Web: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v13n2/v13n2a03.pdf.

Maruyama, S. A. T. & Zago, M. M. F.(2005). O processo de adoecer do portador de colostomia por câncer. Revista Latino Americana enfermagem. 2005 março-abril. Retirado em 18/05/2011, no World Wide Web: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-11692005000200013.

Moré, C. O.; et al.(2004). As representações sociais do psicólogo entre os residentes do programa de saúde da família e a importância da interdisciplinariedade. Psicologia Hospitalar. 2004. Retirado em 18/05/2011, no World Wide Web: <http://www.labsfac.ufsc.br/documentos/representacoesSociaisPsicologoResidentes.pdf>

Mota, R. A.; et al. (2006). Papel dos profissionais de saúde na Política de Humanização Hospitalar. Psicol. Estud. 2006, 11 (2), 323-30. Retirado em 18/05/2011, no World Wide Web: http://www.scielo.br/pdf/pe/v11n2/v11n2a10.pdf.

Pereira, F. M. (2003). A inserção do Psicólogo no Hospital Geral: A construção de uma nova especialidade. Casa de Oswaldo Cruz – FIOCRUZ . Rio de Janeiro, 2003. Retirado em 18/05/2011, no World Wide Web: <http://www.cocsite.coc.fiocruz.br/psi/pdf/dissertacao_fernanda.pdf>

Pregnolatto, A. P. F. & Agostinho, V. B. M. O Psicólogo na Unidade de Terapia Intensiva – Adulto. In: Baptista, M. N., & Dias, R. R. (2010). Psicologia hospitalar: teoria, aplicações e casos clínicos. 2ª edição. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

Puggina, A. C. G. & Silva, M. J. P. da. (2009) Sinais vitais e expressão facial de pacientes em estado de coma. Rev. bras. enferm., Brasília,. 2009 junho, 62 (3). Retirado em 18/05/2011, no World Wide Web:<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71672009000300016&lng=en&nrm=iso>.

Quintana, A. M.; et al .(2006). Sentimentos e percepções da equipe de saúde frente ao paciente terminal. Paidéia (Ribeirão Preto), Ribeirão Preto, 2006 dezembro, 16 (35). Retirado em 18/05/2011, no World Wide Web:<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-863X2006000300012&lng=en&nrm=iso>.

Silva, A.L.; et al. (2002). O coma e seu impacto no processo de ser e viver: implicações para o cuidado de enfermagem. Rev Gaúcha Enferm, 2002; 23(2): 81-107. Retirado em 18/05/2011, no World Wide Web:http://seer.ufrgs.br/RevistaGauchadeEnfermagem/article/view/4450/2375.

Siqueir, A. B.; et al. Relacionamento enfermeiro, paciente e família: fatores comportamentais associados à qualidade da assistência. Arquivos Médicos do ABC, 2006 Julho./Dezembro.; 31(2):73-77. 2006. ). Retirado em 18/05/2011, no World Wide Web http://www.fmabc.br/admin/files/revistas/31amabc73.pdf.

Sohlberg, M. M. & Mateer, C. A. (2009). Reabilitação Cognitiva: uma abordagem neuropsicológica integrativa. São Paulo: Editora Santos.

Vila,V. da S. C. & Rossi, L. A. (2002). O significado cultural do cuidado humanizado em unidade de terapia intensiva: muito falado e pouco vivido. Rev Latinoam Enfermagem, 2002 março-abril; 10(2):137-44. Retirado em 18/05/2011, no World Wide Web: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v10n2/10506.pdf.

Zago, M. M. F.; et al. (2001). O adoecimento pelo câncer de laringe. Rev Esc Enf USP, 2001 junho; 35(2):108-14. Retirado em 18/05/2011, no World Wide Web: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v35n2/v35n2a02.pdf.

Publicado

2012-09-18

Como Citar

Castro, A., & Scherer, A. d’Avila. (2012). CARACTERÍSTICAS DO MANEJO TÉCNICO E INTERPESSOAL APRESENTADAS POR PROFISSIONAIS DA SAÚDE NA INTERAÇÃO COM PACIENTES EM ESTADO DE COMA. Ciências & Cognição, 17(2). Recuperado de http://www.cienciasecognicao.org/revista/index.php/cec/article/view/815