METÁFORAS DA “TERRA DA GENTE” E A APRENDIZAGEM MIDIÁTICA DE CONCEITOS CIENTÍFICOS

Monica Filomena Caron, Mariana Beraldi Rigonato

Resumo


O desafio da divulgação científica é levar aos cidadãos, de forma clara e compreensível, os conhecimentos e as descobertas resultantes das pesquisas científicas e, para tanto, é comum o uso de metáforas. Esse recurso linguístico permite conceitualizar fenômenos excessivamente técnicos ou abstratos, associando-os com manifestações do cotidiano, as quais são acessíveis e familiares. O presente estudo analisou metáforas de revistas “Terra da Gente” classificando-as conforme Curtis e Reigeluth, em sua obra “The Use of Analogies in Written Text” e a partir de uma concepção discursiva do texto. O objetivo foi desenvolver uma discussão do uso das metáforas e um levantamento das diversas possibilidades de interpretação, analisando-se o quanto são válidas e o quanto, e se, distorcem o conhecimento que se deseja que o leitor construa. Em nossas análises verificamos que as metáforas foram constantes na revista e que os autores das reportagens obtiveram sucesso ao empregá-las, embora acreditemos que algumas delas possam gerar interpretações não previstas pelo autor do texto. Entende-se que os estudos sobre metáforas são de extrema relevância para garantir a sua aplicação eficaz e para impedir indevidas interpretações e a formação errônea de conceitos. Embora existam riscos na utilização da metáfora, acreditamos que seu uso é relevante e necessário, tanto em revistas de divulgação científica como em outros veículos midiáticos, como livros didáticos e espaços virtuais de aprendizagem. © Cien. Cogn. 2013; Vol. 18 (1): 002-019.

Palavras-chave: divulgação científica; metáforas; revista “Terra da Gente”.

 

Abstract

The main challenge of science communication is to bring scientific knowledge to citizens in a more clear and understandable and for this purpose is common to use metaphors. This feature allows to conceptualize too technical or abstract phenomena through associations with aspects of everyday use, which are more accessible and familiar. This study examined selected metaphors magazine "Terra da Gente" by classifying them as Curtis and Reigeluth. The objective is a discussion of their employment and the raising of several possible interpretations analyzing how it valid and how much distort the information it want to build with the reader. We verified that the metaphors were very constant in the journal and the authors of the reports have succeeded in applying it, although some may generate unintended interpretations by its maker. It is understood that studies on metaphors are very important to ensure its implementation as a resource and to prevent misinterpretations and erroneous training concepts. Although there are risks in the use of metaphor we believe that its use is extremely important both in science magazines as well as other resources, like textbooks. © Cien. Cogn. 2013; Vol. 18 (1): 002-019.

Keywords: scientific popularization; metaphors; “Terra da Gente” magazine.


Palavras-chave


divulgação científica; metáforas; revista “Terra da Gente”

Texto completo:

PDF [texto completo]

Referências


Aladro, E. (2002). El humor como medio cognitivo. Cuadernos de Información y Comunicación. Madrid: UCM, v.7, 317-327.

Albagli, S. (1996). Divulgação científica: informação científica para a cidadania? Revista Ciência da Informação, Brasília, 25 (3), 396-40.

Brasil. (2000). Parâmetros Curriculares Nacionais: ensino médio: linguagens, códigos e suas tecnologias. Brasília, Ministério da Educação. Retirado em 18/10/2010, no World Wide Web: http://portal.mec.gov.br

Bórquez, J. (2007, julho). Encanto e Perigo. Terra da Gente, 39, 40-47.

Bueno, W. C. (1985). Jornalismo científico: conceitos e funções. Ciência e Cultura, 9 (37), 1420-1428.

Bueno, W. C. (2003) Os Novos Desafios do Jornalismo Científico. Retirado em 19/06/2010, no World Wide Web: http://www.jornalismocientifico.com.br

Cherubine, S. (1989). Dicionário de figuras de linguagem. São Paulo: Pioneira.

Charaudeau, P.; Maingueneau, D. (2004). Dicionário de Análise de Discurso. (Komesu, F., Trad.). São Paulo: Contexto.

Ciapuscio, G. E. (2003). Metáfora e ciência. Ciencia Hoy, 13 (76), 60-66.

Colussi, L. (2002). A reescritura da informação científica em textos de popularização da ciência. Dissertação de Mestrado, Programa de Estudos Linguísticos, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS.

Contenças, P. (1999). A eficácia da metáfora na produção da ciência: o caso da genética. Lisboa: Instituto Piaget.

Curtis, R. V.; Reigeluth, C. M. (1984). The Use of Analogies in Written Text. Instructional Science, 13, 99-117.

Dagher, Z.; Cossman, G. (1992). Verbal Explanations Given by Science Teachers: Their Nature and Implications. Journal of Research in Science Teaching, 29 (4), 361-374.

Dagher, Z. (1995). Analysis of Analogies Used by Science Teachers. Journal of Research in Science Teaching. 32 (3), 259-270.

Dalacorte, M. C. F. (1998). Metáfora e Contexto. (Paiva, V. L. M. O., Trad.). Em: Lakoff, G.; Johnson, M. (Ed.) Metáforas da vida cotidiana (pp. 63-70). Belo Horizonte: UFMG. (Original publicado em 1980).

Dell’isola, R. L. P. (1998) A metáfora e seu contexto cultural. (Paiva, V. L. M. O., Trad.). Em: Lakoff, G.; Johnson, M. (Ed.) Metáforas da vida cotidiana (pp. 39 – 51). Belo Horizonte: UFMG. (Original publicado em 1980).

Fabrri Junior, D. (2008, outubro). O Faxineiro Fiel. Terra da Gente, 54, 42-49.

Franchi, C. (1977) Linguagem, atividade constitutiva. Cadernos de Estudos Lingüísticos, 22, 9-41.

Francisco Junior, W. E. (2009). Analogias em livros didáticos de química: um estudo das obras aprovadas pelo Plano Nacional do Livro Didático Para o Ensino Médio 2007. Ciênc. cogn., 14 (1), 121 – 143. www.cienciasecognicao.org/revista

Francisco, W.; Francisco Junior, W. E. F. (2009) Analogias em livros de Química: Uma análise das Obras de Química Geral destinadas ao Ensino Superior. Em: VII ENPEC – Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. Florianópolis.

Garcia, A. S. (2008). Metonímia: amplitude e precisão. VIII Fórum de Estudos Lingüístico. Retirado em 17/out/2010, de world wide web: http://www.filologia.org.br/viifelin/32.htm

Gauthier, J. Z. (2004) A questão da metáfora, da referência e do sentido em pesquisas qualitativas: o aporte da sociopoética. Rev. Bras. Educ., 25, 127-142.

Germano, M. G. (2005). Popularização da Ciência como Ação Cultural Libertadora. Em: V Colóquio Internacional Paulo Freire, 1-18.

Giora, R. (1997) Understanding figurative and literal language: the graded salience hypothesis. Cognitive Linguistics, 7, 183-206.

Gonzales, M. I. (1992). A divulgação científica: uma visão de seu público leitor. Dissertação de Mestrado, Programa de Ciência da Informação, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ.

Gomes, I. A (2000). A divulgação científica em Ciência Hoje: características discursivo textuais. Tese de Doutorado, Programa em Linguística, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, RE.

Ilari, R. (2003). Linguagem “Atividade Constitutiva” (Ideias e Leituras de um Aprendiz). Revista Letras, 61, 45-76.

Jacobi, D. (1994) Lexique et reformulation intradiscursive dans les documents de vulgarization scientifique. In: Français scientifique et thechnique et dictionaire de langue. Paris: Didier Érudition.

John, L. (2008, dezembro). Aliens no Jardim. Terra da Gente, 56, 56-63.

Krajewski, J. P. (2008, novembro). Os Corais Pedem Água. Terra da Gente, 55, 44-51.

Lakoff, G.; Johnson, M. (1998) Metáforas da vida cotidiana (Paiva, V. L. M. O., Trad.). Belo Horizonte: UFMG. (Original publicado em 1980).

Lakoff, G. (1987). Women, Fire and Dangerous Things: What Categories Revela about the Mind. Chicago/London: University of Chicago Press.

Lakoff. G; Turner, M. (1989). More than cool reason – a Field guide to poetic metaphor. Chicago: The University of Chicago Press.

Leslie, J. (2003). Novo design de revistas. Barcelona: Editorial Gustavo Gili.

Lineu, C. (1758/1939). Systema Naturae, 10ª. ed. Londres: British Museum.

Macedo, E. F. (2005). O espaço para a divulgação científica no Brasil. Retirado em 18/10/2010 no World Wide Web: www.jornalismocientifico.com.br

Martins, I.; Ogborn, J. ; Kress, G. (1999) Explicando uma explicação. Ensaio- Pesq. Educ. Ciênc., 1 (1), 29-46.

Medeiros, R. (2003). O conhecimento socializado e o papel do jornalismo no contexto da divulgação da ciência. Em: Sousa, C. M.; Periço, N. M.; Silveira, T. S. (Ed.). A comunicação pública da ciência (pp. 79 – 93). Taubaté, SP: Cabral Editora e Livraria Universitária.

Monteiro, I. V.; Justi, R. (2000). Analogias em livros didáticos de Química destinados ao ensino médio. Investigações em ensino de ciências, 5 (2), 67-91.

Moura, H. M. M. (2006). The conceptual and the linguistic factors in the use of metaphors. D.E.L.T.A. 22, 81-93.

Newton, L.D. (2003). The occurrence of analogies in elementary school science books. Instructional Science, 31, 353–375.

Santos, R. L. (2010). Metáforas lexicais em estruturas verbais e mentais em notícias de popularização da ciência. Dissertação de mestrado, Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS.

Sazima, I. (2008, dezembro). Lanchonetes Ambulantes. Terra da Gente, 56, 12.

Sibinelli, V. (2008, outubro). Criar para Não Acabar. Terra da Gente, 54, 18-27.

Steen, G. (1994). Understanding Metaphor in Literature: London: Longman.

Pacheco, A. C. (2008). As metáforas no Jornalismo Científico: Análise das Revistas Superinteressante e Galileu. Revista Eletrônica Temática. Retirado em 20/09/2010 no World Wide Web: http://www.insite.pro.br/2008/23.pdf

Pagano, A. S. (1998). Genes, ovelhas e discos compactos: alguns aspectos das reescritasde descobertas científicas. Em: Machado, I., L. Cruz, A., Lysardo-dias, D. (Ed.) Teorias e práticas discursivas. Estudos em análise do discurso. (pp. 55 – 72). Belo Horizonte: UFMG/Carol Borges.

Pimentel, A. (2008, novembro). Um Pedacinho da África. Terra da Gente, 55, 11.

Sardinha, T. B (2007). Metáfora. São Paulo: Parábola.

Porto, C. O. (2009, maio). Mais Veloz. Terra da Gente, 61, 36-37.

Ribeiro, M. (2004). Lua-de-Mel em Mares Calmos. Terra da Gente, 6, 18-27.

Tavarez, D.; Toledo, C. (2006). Terra da gente e a multiplicação de mídias. XI Simpósio de ciências da comunicação na região sudeste. Ribeirão Preto.

Vilas Boas, S. (2005). Formação e Informação Científica. São Paulo: Summus.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




____________

Endereço postal

Ciências e Cognição
A/C Prof. Dr. Alfred Sholl Franco

Sala G0-015, Bloco G, Centro de Ciências da Saúde.
Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho.
Universidade Federal do Rio de Janeiro.
Av. Carlos Chagas Filho S/N - Cidade Universitária
Ilha do Fundão - Rio de Janeiro, RJ 21.941-902, Brasil.

Contato Principal

Editors (Dr. Glaucio Aranha / Dr. Alfred Sholl-Franco)
Ciências e Cognição - Editors-in-chief

Ciências & Cognição
A/C Prof. Dr. Alfred Sholl Franco

Sala G0-015, Bloco G, Centro de Ciências da Saúde.
Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho.
Universidade Federal do Rio de Janeiro.
Av. Carlos Chagas Filho S/N - Cidade Universitária
Ilha do Fundão - Rio de Janeiro, RJ 21.941-902, Brasil.

E-mails:

revista@cienciasecognicao.org (principal)
cienciasecognicao@gmail.com (alternativo)


E-mail: revista@cienciasecognicao.org

Contato de Suporte

Comunication Office
E-mail: revista@cienciasecognicao.org