NEUROACCOUNTING: REINTERPRETANDO RESULTADOS DE PESQUISAS EM CONTABILIDADE GERENCIAL

Francisco Carlos Fernandes, Vinícius Costa da Silva Zonatto

Resumo


Este estudo objetiva analisar resultados de pesquisas anteriores realizadas em contabilidade gerencial, sob as perspectivas da neuroaccounting, considerando-se os achados de Dickhaut, Basu, Mccabe e Waymire (2010), em Neuroaccounting: Consilience between the biologically evolved brain and culturally evolved accounting principles. Trata-se de um ensaio teórico, baseado em uma pesquisa bibliográfica, que busca reinterpretar os resultados dos estudos desenvolvidos por Guerreiro, Casado e Bio (2001), Slomski, Batista e Carvalho (2003), Megliorini e Guerreiro (2004), Guerreiro, Crozatti e Ribeiro (2005a) e Guerreiro, Frezatti e Casado (2006). A justificativa para o estudo está nos achados de Dickhaut et al. (2010), o qual aponta para uma explicação científica da evolução das práticas de contabilidade. Segundo os autores, os princípios da contabilidade evoluíram culturalmente, emergindo e persistindo, porque é coincidente com a forma como o cérebro evoluiu biologicamente para fomentar o intercâmbio social. Logo, pode-se explicar o porquê do baixo grau de implementação de novas técnicas e conceitos de contabilidade gerencial em algumas organizações. Conclui-se que, por meio da neuroaccounting, é possível entender melhor alguns resultados de estudos anteriores. Verifica-se também que o processo de implementação de sistemas de controles gerenciais deve mudar, devendo-se ponderar sobre o condicionamento do cérebro humano. © Cien. Cogn. 2013; Vol. 18 (1): 033-045.

 

Palavras-chave: neuroaccounting; contabilidade gerencial; ensaio teórico.

 

Abstract

 

This study aims at analyzing the results of prior research in managerial accounting, under the perspectives of neuroaccounting, considering the thoughts of Dickhaut, Basu, Mccabe and Waymire (2010), in Neuroaccounting: Consilience between the biologically evolved brain and culturally evolved accounting principles. This is a theoretical essay, based on a literature research, which intends to reinterpret the results of studies carried out by Guerreiro, Casado and Bio (2001), Slomski, Batista and Carvalho (2003), Megliorini and Guerreiro (2004), Guerreiro, Crozatti and Ribeiro (2005a) and Guerreiro, Frezatti and Casado (2006). The justification for this study is based on the discoveries of Dickhaut et al. (2010), who points to a scientific explanation of the evolution of accounting practices. According to the authors, the accounting principles have evolved culturally, emerging and persisting, because it is coincident with the way the brain evolved biologically to promote social exchange. Therefore, it is a way to explain the low level of implementation of new techniques and concepts of managerial accounting in some organizations. It may be concluded that, through neuroaccounting, it is possible to understand some of the results of previous studies. It is also observed that the process of implementing managerial controlling systems must change, pondering on the conditioning of the human brain. © Cien. Cogn. 2013; Vol. 18 (1): 033-045.

 

Keywords: neuroaccounting; managerial accounting; theoretical essay.

Palavras-chave


Neuroaccounting; Contabilidade Gerencial

Texto completo:

PDF [texto completo]

Referências


Basu, S.; Waymire, G. (2006). Recordkeeping and human evolution. Accounting Horizons, 20 (3), 1-29.

Bio, S. R. (1987). Desenvolvimento de sistemas contábeis-gerenciais: um enfoque comportamental e de mudança organizacional. Tese de Doutorado, Faculdade de Economia Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Borinelli, M. L. (2006). Estrutura conceitual básica de controladoria: sistematização à luz da teoria e da práxis. 341 fls. Tese de Doutorado, Faculdade de Economia Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Dickhaut, J.; Basu, S.; Mccabe, K.; Waymire, G. (2010). Neuroaccounting: Consilience between the biologically evolved brain and culturally evolved accounting principles. Accounting Horizons, 24 (2), 221-255.

Grande, J. F.; Beuren, I. M. (2011). Mudanças de práticas de contabilidade gerencial identificadas nos relatórios da administração de empresas familiares. Revista Contabilidade, Gestão e Governança, Brasília, 14 (3), 18-33.

Guerreiro, R.; Casado, T.; Bio, S. R. (2001). Algumas reflexões sobre os arquétipos e o inconsciente coletivo na contabilidade de custos: um estudo exploratório. Revista de Contabilidade CRC-SP, 04-21.

Guerreiro, R.; Crozatti, J.; Ribeiro, M. S. (2005a). Mensuração de ativos nos relatórios gerenciais de companhias abertas. Revista de Gestão USP, 12 (3), 91-107.

Guerreiro, R.; Frezatti, F.; Casado, T. (2006). Em busca de um melhor entendimento da contabilidade gerencial através da integração de conceitos da psicologia, cultura organizacional e teoria institucional. Revista Contabilidade & Finanças, USP, São Paulo, Edição Comemorativa, 7-21.

Guerreiro, R.; Frezatti, F.; Lopes, A. B.; Pereira, C. A. (2005b). O entendimento da contabilidade gerencial sob a ótica da teoria institucional. Revista Organizações & Sociedade - O&S, 12 (35), 91-106.

Guerreiro, R.; Pereira, C. A.; Lopes, A. B. (2004). Uma contribuição ao entendimento da estabilidade e da mudança da contabilidade gerencial sob a ótica da teoria institucional. Anais... XXVIII EnANPAD, Curitiba.

Iudícibus, S. (2000). Teoria da contabilidade. 6. ed. São Paulo: Atlas.

Jung, C. G. (1995). Psicologia do inconsciente. Petrópolis: Vozes.

Megliorini, E.; Guerreiro, R. (2004) Conceitos de mensuração utilizados pelas empresas produtoras de bens de capital sob encomenda. Anais... 4º Congresso de Controladoria e Contabilidade, USP, São Paulo.

Nowak, M. A.; Page, K.; Sigmund, K. (2000). Fairness versus reason in the ultimatum game. Science, 289 (5485), 1773–1775.

Oyadomari, J. C.; Cardoso, R. L., Mendonça Neto, O. R.; Lima, M. P. (2008). Fatores que influenciam a adoção de artefatos de controle gerencial nas empresas brasileiras: Um estudo exploratório sob a ótica da Teoria Institucional. RCO – Revista de Contabilidade e Organizações, São Paulo, 2 (2), 55-70.

Quervain, J.; Fischbacher, U. ; Treyer, V.; Schellhammer, M.; Schnyder, U.; Buck, A.; Fehr, E. (2004). The neural basis of altruistic punishment. Science, 425 (5688), 785-791.

Santos, C. C. (1976). Individualização junguiana. São Paulo: Sarvier.

Slomski, V.; Batista, I. V. C.; Carvalho, E. M. (2003). Os métodos de custeio variável e por absorção e o inconsciente coletivo na contabilidade de custos. Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis da UERJ, 8 (1), 9-20.

Soutes, D. O.; Zen, M. J. C. M. (2005). Estágios evolutivos da contabilidade gerencial em empresas brasileiras. Anais... 5° Congresso USP de Controladoria e Contabilidade, São Paulo.

Soutes, D. O.; Guerreiro, R. (2007). Estágios evolutivos da contabilidade gerencial em empresas brasileiras. Anais. XXXI EnANPAD, Rio de Janeiro.

Souza, M. A.; Lisboa, L. P.; Rocha, W. (2003). Práticas de contabilidade gerencial adotadas por subsidiárias brasileiras de empresas multinacionais. Revista Contabilidade & Finanças, USP, 32 (ano XIV), 40-57.

Teixeira, A. J. C.; Gonzaga, R. P; Santos, A. V. S. M.; Nossa, V. (2011). A utilização de ferramentas de contabilidade gerencial nas empresas do estado do Espírito Santo. Brazilian Business Rev., 8 (3), 108-127.

Zan, A. (2006). Mudanças na Contabilidade Gerencial de uma Organização: Estudo de caso com diagnóstico institucional. 116f. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




____________

Endereço postal

Ciências e Cognição
A/C Prof. Dr. Alfred Sholl Franco

Sala G0-015, Bloco G, Centro de Ciências da Saúde.
Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho.
Universidade Federal do Rio de Janeiro.
Av. Carlos Chagas Filho S/N - Cidade Universitária
Ilha do Fundão - Rio de Janeiro, RJ 21.941-902, Brasil.

Contato Principal

Editors (Dr. Glaucio Aranha / Dr. Alfred Sholl-Franco)
Ciências e Cognição - Editors-in-chief

Ciências & Cognição
A/C Prof. Dr. Alfred Sholl Franco

Sala G0-015, Bloco G, Centro de Ciências da Saúde.
Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho.
Universidade Federal do Rio de Janeiro.
Av. Carlos Chagas Filho S/N - Cidade Universitária
Ilha do Fundão - Rio de Janeiro, RJ 21.941-902, Brasil.

E-mails:

revista@cienciasecognicao.org (principal)
cienciasecognicao@gmail.com (alternativo)


E-mail: revista@cienciasecognicao.org

Contato de Suporte

Comunication Office
E-mail: revista@cienciasecognicao.org