REPRESENTAÇÕES DE GÊNERO NA PRÁTICA DE ENFERMAGEM NA PERSPECTIVA DE ESTUDANTES

Autores

  • Leonardo Lemos de Souza Unesp Assis

Palavras-chave:

modelos organizadores, gênero, educação em enfermagem

Resumo

Resumo

Este estudo objetivou investigar as representações de estudantes de enfermagem sobre o trabalho da(o) enfermeira(o) numa perspectiva de gênero, durante o processo de formação. A pesquisa utilizou uma amostra de 41 alunos do curso de enfermagem (1oe 9o semestres), sendo aplicado a estes um questionário aberto, o qual foi analisado a partir do conceito de modelo organizador além dos estudos críticos de gênero. Constatou-se com os dados da pesquisa que os alunos e alunas, que iniciam na vida acadêmica dentro do curso de enfermagem, têm representações sobre os comportamentos de gênero com menos estereótipos e com certa problematização acerca da divisão sexual da profissão de enfermagem. No âmbito da formação, a partir do momento em que estes alunos passam a conviver com as práticas de enfermagem, que estão impregnadas de estereótipos, em diferentes contextos, a visão que antes era considerada como generalizada, passa a ser cristalizada delimitando as práticas dentro desta profissão. Os dados apontam para a necessidade dos cursos de formação empreenderem uma problematização sobre as relações de gênero no contexto das práticas de enfermagem, dado que elas parecem reforçar estereótipos negligenciando uma ação profissional democrática e igualitária no campo profissional.

Biografia do Autor

Leonardo Lemos de Souza, Unesp Assis

Docente do Departamento de Psicologia Evolutiva, Social e Escolar - Unesp Assis - graduação e pós-graduação em Psicologia

 

Publicado

2014-07-31

Como Citar

de Souza, L. L. (2014). REPRESENTAÇÕES DE GÊNERO NA PRÁTICA DE ENFERMAGEM NA PERSPECTIVA DE ESTUDANTES. Ciências & Cognição, 19(2). Recuperado de http://www.cienciasecognicao.org/revista/index.php/cec/article/view/908

Edição

Seção

Artigos Científicos / Scientific Articles