A dimensão do trágico na vida cotidiana: cognótica contemporânea ou tecnologia de subsunção da consciência

Autores

  • Gilbert Cardoso Bouyer Professor Universitário em Belo Horizonte, MG.

Palavras-chave:

consciência, cotidiano, ser, modo de produção

Resumo

Este artigo aborda uma "nova forma de observar" o clássico problema da questão filosófica do "ser" e da consciência, objetivando a análise filosófica sobre a questão do ser, abordando um problema sobre a consciência com o qual a "questão cognitiva" tem, historicamente, se deparado ao longo do tempo. Em um trabalho filosófico, como o que gerou este texto, uma "nova forma de observar" pode significar o uso de uma teoria já legitimada epistemologicamente e já comprovada através das vias ontológicas da realidade. Em outras palavras, uma "abordagem da cognição", que permita compreender a ação no "novo" capitalismo e sua "nova" sociedade. O "panoptismo cognitivo" é uma metáfora que explica o problema sobre o sujeito que, hoje, na "nova" sociedade, é um receptor e processador de informações provenientes de um ambiente externo artificial.

Biografia do Autor

Gilbert Cardoso Bouyer, Professor Universitário em Belo Horizonte, MG.

Mestre em Engenharia de Produção (UFMG) e Doutorando do Departamento de Engenharia de Produção (USP).

Publicado

2011-02-24

Como Citar

Bouyer, G. C. (2011). A dimensão do trágico na vida cotidiana: cognótica contemporânea ou tecnologia de subsunção da consciência. Ciências & Cognição, 6. Recuperado de https://www.cienciasecognicao.org/revista/index.php/cec/article/view/542

Edição

Seção

Artigos Científicos / Scientific Articles