NEUROCIÊNCIA DA RACIONALIDADE VERSUS RACIONALIDADE DA NEUROCIÊNCIA: UMA ANÁLISE CRÍTICA A PARTIR DA FILOSOFIA DAS NEUROCIÊNCIAS

Autores

  • Carlos Eduardo Batista de Sousa Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, Professor Associado, Laboratório de Cognição e Linguagem, Centro de Ciências do Homem

Palavras-chave:

racionalidade, neurociências, filosofia das neurociências, filosofia da ciência, ação consciente

Resumo

Resumo

A neurociência visa entender o funcionamento do cérebro e sua influência no comportamento consciente. Alguns achados neurocientíficos indicam que processos decisórios são causados por eventos neurobiológicos. A hipótese de que o cérebro seria o real causador das ações humanas tem sido defendida por alguns neurocientistas que usam estes achados como base para argumentar contra um modelo clássico de racionalidade humana, afirmando sua equivocidade. Racionalidade e consciência seriam ilusórias. Na verdade, seriam produzidas pelo cérebro. Contudo, uma avaliação destes achados neurocientíficos evidenciará que grande parte baseia-se em experimentação insuficiente. O novo conhecimento não parece robusto o suficiente para apoiar um argumento em favor da substituição do modelo clássico de racionalidade. Este texto visa discutir a plausibilidade desta argumentação através da análise de três casos paradigmáticos da literatura neurocientífica. A proposta é estabelecer uma agenda de discussão através da filosofia da neurociência.

Palavras-chave: racionalidade; neurociências; filosofia das neurociências; filosofia da ciência; ação consciente.

 

Abstract

Neuroscience aims to understand brain function and its influence on conscious behavior. Some neuroscientific findings suggest that decision-making processes are caused by neurobiological. These findings are used to put forward the hypothesis that brain is the real causal agent of our actions. In order to argue against the so-called classical model of rationality, some neuroscientists state that rationality and consciousness would be illusions created by the brain. But the argumentation is based on little experimentation and it does not seem sufficiently robust to count as surrogate for the classical model of rationality. This paper addresses some questions to neuroscience and it aims to survey the plausibility of such an argumentation by means of a critical analysis of three paradigmatic cases from neuroscientific literature. It argues for a philosophical discussion on neuroscience by advancing philosophy of neuroscience as discipline.

Keywords: rationality; neurosciences; philosophy of neurosciences; philosophy of science; conscious action

Publicado

2014-12-29

Como Citar

de Sousa, C. E. B. (2014). NEUROCIÊNCIA DA RACIONALIDADE VERSUS RACIONALIDADE DA NEUROCIÊNCIA: UMA ANÁLISE CRÍTICA A PARTIR DA FILOSOFIA DAS NEUROCIÊNCIAS. Ciências & Cognição, 19(3). Recuperado de https://www.cienciasecognicao.org/revista/index.php/cec/article/view/912

Edição

Seção

Ensaios Acadêmicos / Essays